Brasil


01/12/2019

?Falta de clima' com Bolsonaro deixa presidente eleito da Argentina de fora de encontro do Mercosul

Alberto Fernández Direito de imagem Reuters
Image caption Alberto Fernández (foto) e Jair Bolsonaro vêm trocando farpas publicamente desde a campanha eleitoral argentina

A relação distante e de animosidade entre Jair Bolsonaro e o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, deve deixar o argentino fora de um encontro do Mercosul marcado para a semana que vem no Rio Grande do Sul, segundo fontes ouvidas pela BBC News Brasil.

A reunião marcará a última participação do presidente da Argentina, Mauricio Macri, antes que ele passe a faixa para o sucessor e opositor Alberto Fernández, no dia 10 de dezembro, cinco dias depois da reunião de cúpula do Mercosul.

Diplomatas brasileiros e argentinos e analistas ouvidos pela BBC News Brasil entendem que seria esperado que o presidente eleito da Argentina também fosse convidado para o encontro no Rio Grande do Sul.

"Seria natural que o presidente Macri convidasse seu sucessor, mas não há clima", disse à reportagem um integrante do primeiro escalão do governo Macri, sob a condição do anonimato. "Os que chegam ao poder, a partir do dia 10 de dezembro, falaram tão mal do presidente de vocês (brasileiros) e também não sinalizaram o menor interesse em participar da reunião. E, por isso, o convite não foi feito."

O convite também poderia ter partido do governo brasileiro, o que não ocorreu, disse o entrevistado.

Farpas públicas

Bolsonaro e Fernández trocaram farpas públicas desde a campanha eleitoral na Argentina. Dias antes da votação, o presidente brasileiro disse que a vice de Fernández, a ex-presidente Cristina Kirchner, colocaria o Mercosul em risco, e que, neste caso, os encontros poderiam ser com Paraguai e Uruguai, como chegou a reproduzir o jornal econômico El Cronista, de Buenos Aires.

Quando foi confirmada a vitória de Fernández e Cristina ? vencendo Macri, que buscava a reeleição ?, o presidente do Brasil disse que os argentinos tinham "votado mal" e que não daria os parabéns ao eleito. Ele já tinha dito que a vitória do opositor de Macri levaria os argentinos a copiarem os venezuelanos, buscando a fronteira brasileira.

Por sua vez, Alberto Fernández, que durante a campanha visitou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão, publicou uma foto, no dia da sua eleição, pedindo "Lula Livre". E chamou o presidente brasileiro de "violento e misógino".

Bolsonaro não participará da posse do sucessor de Macri. Convidado, o ex-presidente Lula, opositor de Bolsonaro, declinou do convite, segundo assessores.

Direito de imagem AFP
Image caption Macri esteve com Bolsonaro em Brasília e convidou-o a visitar Buenos Aires

Neste ambiente, surgiram versões, entre fontes brasileiras e argentinas, de que a reunião presidencial do Mercosul teria sido marcada em 5 de dezembro para que fosse evitado um encontro entre Bolsonaro e Fernández.

A outra opção poderia ter sido, observaram, depois do dia 10, com o sucessor de Macri já na cadeira presidencial. "Claramente, a data do dia 5 foi marcada para evitar este encontro", disse um assessor do governo Macri.

Oficialmente, o encontro será uma despedida para Macri. Do lado brasileiro, um negociador do país disse, porém, que "o Brasil não está conversando com o futuro governo argentino" e "faz todo o sentido que esta data tenha sido escolhida para que os dois não se vejam pessoalmente".

Outro diplomata brasileiro afirmou que a política externa brasileira "tem sido pautada, em muitos casos, por questões pessoais" e não descarta que a data do encontro tenha sido influenciada pelo "clima ruim" entre os dois mandatários.

Já o Itamaraty, questionado pela BBC News Brasil, disse que a data da reunião do Mercosul "já estava marcada antes da eleição na Argentina". Outro experiente diplomata brasileiro afirmou a mesma coisa.

Buscar o diálogo

O problema é que as diferenças entre Bolsonaro e Fernández também começaram antes da eleição presidencial.

"Nós não temos outra saída além de buscar o diálogo com o Brasil, que tem uma economia, um território e população cinco vezes maior que a nossa. O diálogo é a saída", disse o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Faurie, durante entrevista à imprensa, nesta sexta-feira, quando questionado sobre a futura relação entre os dois países.

Ouvidos pela BBC News Brasil, os analistas Rosendo Fraga, do Centro de Estudos Nova Maioria, e Francisco de Santibañes, do Conselho Argentino de Relações Internacionais (CARI), mostraram visões diferentes.

Direito de imagem Reuters
Image caption Novo governo da Argentina toma posse em 10 de dezembro

"A relação (entre Bolsonaro e Fernández) não vai ser fácil. Alberto Fernández não estará na reunião de cúpula do Mercosul porque não foi convidado e Bolsonaro não estará na posse de Fernández porque não fizeram nada para que ele viesse. O que o futuro presidente argentino não parece entender é que quando tome posse terá oito dos dez países da América do Sul com linha (política) diferente (da dele)", disse Fraga.

Ele citou os governos do Brasil, da Colômbia, do Peru, do Chile, do Equador, da Bolívia, do Uruguai e do Paraguai, definidos como de direita ou de centro-direita. Para Fraga, Alberto Fernández deverá ter jogo de cintura para não deixar a Argentina isolada neste cenário.

Na opinião de Francisco de Santibañes, "não é muito grave" que Fernández não participe da reunião do Mercosul. Para ele, a ausência de Fernández no encontro não significa "rejeição" do futuro presidente argentino a Bolsonaro, já que o próprio Bolsonaro não estará na sua posse.

Pragmatismo

Para ele, o fato de Bolsonaro ter dito, na última semana, que espera uma relação "pragmática" com a Argentina é "um sinal positivo". No dia seguinte, durante discurso para quase 2 mil empresários, em Buenos Aires, Fernández disse que sentiu "alegria" ao saber da declaração do presidente brasileiro e falou em "aprofundar" o Mercosul.

"Vamos aprofundar o acordo com o Mercosul. Que o Mercosul tenha presidentes que pensam diferentes não deve ser um problema. E nenhuma diferença pessoal que eu possa ter nos colocará no lugar equivocado", disse, sendo aplaudido pelos industriais argentinos. "Vi com alegria, hoje, que o presidente do Brasil propôs um acordo pragmático com a Argentina, é o que devemos fazer porque o Mercosul vai superar a Bolsonaro e vai superar a Alberto Fernandez", afirmou.

O futuro presidente da Argentina também disse "que todos entendam que não vou trazer camisetas da China e sapatos do Brasil ou da China".

A declaração foi interpretada pelos presentes como "muito diferente" ao que propõe o governo Bolsonaro, que defende a abertura comercial. "O que queremos é um comércio administrado. Nenhum país do mundo tem um comércio completamente aberto. Ou se tem, isso não é bom para suas indústrias e para a geração de empregos", disse o empresário José Ignácio De Mendiguren.

Existem, ao mesmo tempo, dúvidas em torno da transição argentina entre as equipes de Macri e Fernández.

Os dois se reuniram, na Casa Rosada, sede da Presidência argentina, logo após a eleição no dia 27 de outubro. A foto da dupla foi apontada, na ocasião, como símbolo de uma transição tranquila entre opositores.

No entanto, nos últimos dias, diante da falta de comunicação entre os dois líderes e suas equipes, integrantes do governo Macri disseram, publicamente, que a "transição não existe", e Fernández e seus principais aliados criticaram medidas da gestão atual, que reforçarão "a difícil herança" que receberá o próximo presidente do país.

  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Mais de Brasil

Fundo Eleitoral de R$ 3,8 bi não vai tirar verba ?de canto nenhum?, diz relator na Câmara

Fundo Eleitoral de R$ 3,8 bi não vai tirar verba ?de canto nenhum?, diz relator na Câmara

Para moradores de Paraisópolis, vida média é 10 anos mais curta que no vizinho Morumbi

Para moradores de Paraisópolis, vida média é 10 anos mais curta que no vizinho Morumbi

O que sobrou do pacote anticrime de Moro após aprovação na Câmara

O que sobrou do pacote anticrime de Moro após aprovação na Câmara

Apesar de decisão do STF, Planalto mantém sob sigilo gastos com cartão corporativo

Apesar de decisão do STF, Planalto mantém sob sigilo gastos com cartão corporativo

Paraisópolis: adolescente de 16 anos que estudava de manhã e limpava estofados à tarde atravessou cidade para ir a baile onde morreu

Paraisópolis: adolescente de 16 anos que estudava de manhã e limpava estofados à tarde atravessou cidade para ir a baile onde morreu

'Quem a polícia defende? De que lado está?', questiona autor de foto símbolo da desigualdade no Brasil

'Quem a polícia defende? De que lado está?', questiona autor de foto símbolo da desigualdade no Brasil

'Triste saber que ela continuará atual', diz autor de foto símbolo de Paraisópolis, que volta a viralizar após mortes

'Triste saber que ela continuará atual', diz autor de foto símbolo de Paraisópolis, que volta a viralizar após mortes

Como vive um jovem em Paraisópolis

Como vive um jovem em Paraisópolis

Salário inicial de R$ 19 mil põe elite dos servidores entre 2% mais ricos no Brasil

Salário inicial de R$ 19 mil põe elite dos servidores entre 2% mais ricos no Brasil

TSE libera coleta de assinaturas digitais, mas pode não viabilizar novo partido de Bolsonaro

TSE libera coleta de assinaturas digitais, mas pode não viabilizar novo partido de Bolsonaro

Manter cultivo de maconha medicinal proibido multiplicará ações na Justiça, diz presidente da Anvisa

Manter cultivo de maconha medicinal proibido multiplicará ações na Justiça, diz presidente da Anvisa

O que é avaliado na prova do Pisa, exame de educação no qual o Brasil tem dificuldade em avançar

O que é avaliado na prova do Pisa, exame de educação no qual o Brasil tem dificuldade em avançar

Pisa: como o desempenho do Brasil no exame se compara ao de outros países da América Latina

Pisa: como o desempenho do Brasil no exame se compara ao de outros países da América Latina

FGTS e juro baixo animam consumo, mas desemprego e incerteza ainda impedem 'PIBão'

FGTS e juro baixo animam consumo, mas desemprego e incerteza ainda impedem 'PIBão'

'Fui xingada nas redes sociais por resgatar um pombo ferido'

'Fui xingada nas redes sociais por resgatar um pombo ferido'

Pisa: alunos brasileiros 'estacionam' em leitura, ciências e matemática e sofrem mais com bullying e solidão

Pisa: alunos brasileiros 'estacionam' em leitura, ciências e matemática e sofrem mais com bullying e solidão

7 a 1? Os capítulos marcantes da 'amizade desigual' entre Trump e Bolsonaro

7 a 1? Os capítulos marcantes da 'amizade desigual' entre Trump e Bolsonaro

Trump acusa Brasil de desvalorizar real e anuncia tarifa sobre aço e alumínio

Trump acusa Brasil de desvalorizar real e anuncia tarifa sobre aço e alumínio

Brasil prioriza Taiwan em visto eletrônico, abrindo caminho para crise com China

Brasil prioriza Taiwan em visto eletrônico, abrindo caminho para crise com China

Dia Mundial de Luta Contra a Aids: Mortes caem, mas 20% não sabem que têm HIV

O que é o 'Baile da 17', pancadão em Paraisópolis onde 9 jovens morreram pisoteados

O que é o 'Baile da 17', pancadão em Paraisópolis onde 9 jovens morreram pisoteados

?Falta de clima' com Bolsonaro deixa presidente eleito da Argentina de fora de encontro do Mercosul

?Falta de clima' com Bolsonaro deixa presidente eleito da Argentina de fora de encontro do Mercosul

Quem eram os escravos 'tigres', marcantes na história do saneamento básico no Brasil

Quem eram os escravos 'tigres', marcantes na história do saneamento básico no Brasil

Sífilis, a doença evitável e de tratamento barato que mata um número crescente de bebês no Brasil

Sífilis, a doença evitável e de tratamento barato que mata um número crescente de bebês no Brasil

Os brasileiros que criam aves de rapina como águias, falcões e corujas

Os brasileiros que criam aves de rapina como águias, falcões e corujas

Por que a carne continuará mais cara em 2020 (e pode piorar)

Por que a carne continuará mais cara em 2020 (e pode piorar)

Vik Muniz sobre política cultural do governo Bolsonaro: 'É só destruição, é só desmantelamento'

Vik Muniz sobre política cultural do governo Bolsonaro: 'É só destruição, é só desmantelamento'

Pastores da Universal em Angola rompem com Edir Macedo e pedem expulsão de bispos brasileiros

Pastores da Universal em Angola rompem com Edir Macedo e pedem expulsão de bispos brasileiros

Reforma mantém pensão antecipada para família de militares expulsos

Reforma mantém pensão antecipada para família de militares expulsos

O que diz a queixa apresentada contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

O que diz a queixa apresentada contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

O que acontece com investigação contra Flávio Bolsonaro após decisão do STF?

O que acontece com investigação contra Flávio Bolsonaro após decisão do STF?

De soja a briga pelo turismo, tensão envolvendo ONGs já dura décadas em Alter do Chão

De soja a briga pelo turismo, tensão envolvendo ONGs já dura décadas em Alter do Chão