Brasil


07/10/2019

A operação para tentar 'salvar' o pacote anticrime de Sergio Moro, desfigurado na Câmara

Moro e Bolsonaro Direito de imagem Valter Campanato/Agência Brasil
Image caption Campanha orçada em R$ 10 milhões é parte de um esforço mais amplo do governo para tentar salvar parte do conteúdo do pacote anticrime.

Na manhã da última quinta-feira (3), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi ao Palácio do Planalto para a cerimônia de lançamento de uma campanha de marketing do governo federal. O objetivo é divulgar para a população as medidas do chamado "pacote anticrime", um conjunto de projetos de lei que o ministro entregou ao Congresso no dia 4 de fevereiro deste ano.

Na cerimônia do Planalto, foram exibidos três filmetes de propaganda para a TV que farão parte da campanha.

Com cerca de 30 segundos cada, eles mostram depoimentos de vítimas de crimes violentos e terminam com um slogan. "Pacote anticrime. A lei tem que estar acima da impunidade".

A tramitação do pacote entrará na próxima terça-feira (8) numa etapa fundamental.

Esta é a data da última reunião do grupo de trabalho (GT) formado na Câmara dos Deputados para analisar o tema. Os deputados do grupo devem aprovar um texto consolidado, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que levará o resultado do grupo diretamente para votação no plenário ? sem passar por nenhuma outra comissão da Casa.

Direito de imagem Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Image caption O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que levará o resultado do grupo de trabalho diretamente para votação no plenário

Um levantamento feito pelo relator, o deputado Capitão Augusto (PL-SP), mostra que até o momento 18 pontos do projeto inicial já foram rejeitados pelo grupo de trabalho. Vários outros foram alterados.

Alguns dos pontos rejeitados estão entre os mais caros ao ministro da Justiça. É o caso das novas regras para o "excludente de ilicitude" e a legítima defesa de policiais; o chamado "plea bargain", no qual o réu confessa o crime em troca de benefícios; e a previsão expressa de prisão após condenação pela 2ª Instância da Justiça.

"Nós salvamos 75% do pacote. Mas os 25% que perdemos era estratégico, substancial", disse Capitão Augusto à BBC News Brasil.

Para tentar reverter o provável revés no grupo de trabalho, o governo aposta agora em dois caminhos: tentar recolocar alguns itens durante a votação do projeto em plenário e, quando não for possível, fazer avançar projetos independentes sobre cada um dos temas.

"Já era esperado. Eu falei para o ministro Sergio Moro: olha, vamos tentar salvar o máximo possível lá (no GT) e, aqui no plenário, tentar reverter. Vamos tentar recompor alguns pontos (...). No plenário podemos tentar propor destaques, emendas. E o que não conseguir, a gente vai pela tramitação normal, ordinária. Tanto na Comissão de Segurança (Pública e Combate ao Crime Organizado) que eu presido, quanto na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça)", diz Capitão Augusto.

"O que nós perdemos lá, não vamos desistir. São pontos importantes", disse ele, que é o atual coordenador da Frente Parlamentar da Segurança Pública, apelidada por adversários de "bancada da bala".

Egio Almeida Andrade, um dos principais técnicos da Câmara, explica que a reinclusão de propostas por meio de emendas é possível no plenário. Para tanto, precisam ter o apoio de líderes partidários que representem pelo menos 103 deputados ? um quinto da Casa ? e precisam também ter relação com o tema do projeto, segundo ele.

Embora o número de apoios necessários para apresentar uma emenda não seja tão alto, aprovar as alterações pode se mostrar uma tarefa difícil: pelo menos dois líderes de partidos do chamado "centrão" ouvidos pela BBC News Brasil disseram, sob condição de anonimato, que apoiam o texto tal qual formulado pelo grupo de trabalho.

Em entrevista o jornal O Globo, o líder do PP, Arthur Lira (AL) também manifestou opinião nesse sentido: "Na minha opinião, tem que respeitar o trabalho do grupo (...). Do que a gente soube até agora, está muito bom o trabalho. Não tem nada a recuperar", disse ele.

Direito de imagem José Cruz/Agência Brasil
Image caption O ministro Sergio Moro entregou ao Congresso em fevereiro o chamado pacote anticrime

Um dos pontos mais polêmicos do pacote de Moro era o que trazia regras mais amplas para o chamado "excludente de ilicitude", aumentando as hipóteses nas quais policiais não seriam punidos caso matassem alguém durante o trabalho. O agente não seria punido, por exemplo, se provasse que agiu movido pelo "medo, surpresa ou violenta emoção".

Este ponto é citado por Capitão Augusto como um exemplo de iniciativa que pode avançar de forma paralela: um projeto tratando do assunto está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e deve ser votado esta semana.

O "excludente de ilicitude" foi removido do texto após uma troca de farpas entre Moro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, nas redes sociais. No fim do mês passado, Maia lamentou a morte da menina Ágatha Félix, de 8 anos, baleada durante uma operação policial no Rio.

"Qualquer pai e mãe consegue se imaginar no lugar da família da Ágatha e sabe o tamanho dessa dor. Expresso minha solidariedade aos familiares sabendo que não há palavra que diminua tamanho sofrimento. É por isso que defendo uma avaliação muito cuidadosa e criteriosa sobre o excludente de ilicitude que está em discussão no Parlamento", escreveu Maia no Twitter.

Poucas horas depois, Moro usou a mesma rede social para defender sua proposta. "Lamentável e trágica a morte da menina Ágatha. Já me manifestei oficialmente. Os fatos têm que ser apurados. Não há nenhuma relação possível do fato com a proposta de legítima defesa constante no projeto anticrime", disse o ministro.

Derrotas sucessivas

Os defensores da proposta de Sergio Moro vêm sofrendo derrotas praticamente desde o começo das atividades do grupo de trabalho, em março deste ano - com alterações sucessivas no texto original. A tal ponto que uma das defensoras do projeto, Carla Zambelli, acabou deixando o GT.

Ela acusa os adversários da proposta de terem usado a maioria que tinham no grupo para fazer uma "filtragem" indevida do texto.

"A ideia era apresentar algo completo para o plenário, que teria essa função de decidir em última instância. Só que aí começaram a desidratar. Não, tira isso, tira aquilo. Começaram a tirar coisas, a deliberar. E o GT não tem função regimental deliberativa. E aí, eu disse não vou ficar aqui, porque não vou compactuar com algo que está errado", disse Zambelli à BBC News Brasil.

Direito de imagem Agência Câmara
Image caption Carla Zambelli (PSL-SP) é uma das defensoras do pacote anticrime de Moro

O argumento é rebatido por outro integrante do grupo, Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

"Foram 150 dias de trabalho, 10 audiências públicas, todos os grandes especialistas da área foram ouvidos. Então não se trata de tira isso, tira aquilo", disse ele à reportagem.

O texto que está sendo discutido pelo grupo não se baseia apenas nas propostas de Moro: a primeira versão foi confeccionada por Capitão Augusto tendo por base também um projeto anterior do ministro Alexandre de Moraes (do Supremo Tribunal Federal) e outras propostas que tratavam de temas similares.

"Algumas coisas foram alteradas, outras foram suprimidas, e outras foram acrescentadas. Esse relatório do Capitão Augusto foi bastante alterado, então certamente vamos designar um outro relator, que provavelmente será a Margarete Coelho (PP-PI, presidente do grupo), que apresentará um relatório que irá diretamente para o plenário", diz Freixo.

Capitão Augusto diz que os adversários do projeto de Moro acabaram formando a maioria dos integrantes do GT.

Como foi possível? "Essa é uma pergunta boa para o Rodrigo (Maia)", diz ele. "O que ele (Maia) passou para nós é que quem tinha interesse ia integrar (o grupo). Então ele fez um grupo misto, com o pessoal de esquerda, do centro, e da direita. Mas infelizmente a composição foi desfavorável para o pacote. A maioria acabou se revelando contrária", diz.

O que saiu do projeto?

Um material explicativo elaborado pelo GT detalha cada um dos pontos em debate no texto. O guia do Capitão Augusto mostra quais deles foram suprimidos, e quais foram mantidos até agora.

Direito de imagem Presidência da República
Image caption O presidente Jair Bolsonaro acompanhado por Sergio Moro e outros ministros

Além do trecho que ampliava o uso do "excludente de ilicitude", o grupo também removeu outro dispositivo que ampliava o entendimento sobre ampla defesa no caso de policiais. Entrariam nesta hipótese casos nos quais o policial age diante de "iminente conflito armado" para prevenir agressões, ou para proteger a vida de vítimas.

O grupo também decidiu excluir a possibilidade do preso passar a cumprir pena logo depois de condenado pela segunda instância da Justiça ? o entendimento é o de que, para isso, seria preciso mudar a Constituição, o que não pode ser feito com um projeto de lei.

Vários outros dispositivos foram removidos junto com este ponto: um deles exigia que o condenado pagasse multas impostas pela Justiça logo depois de condenado na 2ª Instância (hoje, isto só ocorre depois do trânsito em julgado, quando todos os recursos foram esgotados). Outro permitia à Justiça vender bens apreendidos logo depois do início do cumprimento da pena ? novamente, hoje isto só ocorre após o trânsito em julgado.

Vários dos pontos suprimidos buscavam endurecer a legislação penal. Um desses dispositivos criava regras mais rígidas para a prescrição de crimes; outro ampliava o uso de videoconferências em oitivas de presos. Um terceiro incluía mais crimes no rol de delitos hediondos, como roubo qualificado e o porte de armas de calibre restrito; e um quarto trazia o endurecimento das regras para a progressão de regimes dos presos.

Medidas que visavam aprimorar a capacidade de investigação das polícias também caíram.

Uma delas permitia quebrar o sigilo das comunicações de investigados por "qualquer meio disponível" ? inclusive na internet. Outro trecho garantia aos investigadores o direito de usar agentes disfarçados para investigar crimes como lavagem de dinheiro e tráfico de armas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Brasil

Os 5 principais pontos de conflito entre governo Bolsonaro e indígenas

Os 5 principais pontos de conflito entre governo Bolsonaro e indígenas

O que acontece após Brasil anunciar casos suspeitos de coronavírus e elevar risco para 'iminente'?

O que acontece após Brasil anunciar casos suspeitos de coronavírus e elevar risco para 'iminente'?

A briga judicial em torno das notas do Enem: 'Sensação de que não adiantou nada o esforço'

A briga judicial em torno das notas do Enem: 'Sensação de que não adiantou nada o esforço'

'A minha vida depois de perder as pernas e um dos braços por causa de uma pipa'

'A minha vida depois de perder as pernas e um dos braços por causa de uma pipa'

Betelgeuse: cientistas esperam pela explosão de uma das estrelas mais brilhantes do céu 

Betelgeuse: cientistas esperam pela explosão de uma das estrelas mais brilhantes do céu 

O encontro entre o 'mito' e o 'messias': o que Bolsonaro traz na volta da Índia para Brasil

O encontro entre o 'mito' e o 'messias': o que Bolsonaro traz na volta da Índia para Brasil

'Nenhum país está protegido de receber alguém com coronavírus', diz brasileiro diretor de agência da ONU

'Nenhum país está protegido de receber alguém com coronavírus', diz brasileiro diretor de agência da ONU

As chocantes histórias dos 'latões', veículos onde presos defecam, sangram e morrem

As chocantes histórias dos 'latões', veículos onde presos defecam, sangram e morrem

'Foi fazer mochilão há 7 anos e nunca mais apareceu': o mistério do brasileiro que sumiu no Peru

'Foi fazer mochilão há 7 anos e nunca mais apareceu': o mistério do brasileiro que sumiu no Peru

Eduardo Bolsonaro fala 'bobagem' ao acusar monopólio de armas no país, diz presidente da Taurus

Eduardo Bolsonaro fala 'bobagem' ao acusar monopólio de armas no país, diz presidente da Taurus

'Armamento é privilégio para elites': a nova estratégia de Eduardo Bolsonaro para baratear armas no Brasil

'Armamento é privilégio para elites': a nova estratégia de Eduardo Bolsonaro para baratear armas no Brasil

Após anunciar isenção de vistos para chineses, governo agora diz que caso está 'em estudo'

Após anunciar isenção de vistos para chineses, governo agora diz que caso está 'em estudo'

Longe dos holofotes, comitiva com CEO da Taurus acompanha Bolsonaro na Índia, o 2º comprador de armas do mundo

Longe dos holofotes, comitiva com CEO da Taurus acompanha Bolsonaro na Índia, o 2º comprador de armas do mundo

O que Bolsonaro e Moro ganham ou perdem com um eventual 'divórcio'

O que Bolsonaro e Moro ganham ou perdem com um eventual 'divórcio'

Caged: o que os números do emprego dizem sobre o primeiro ano da economia sob Bolsonaro

Caged: o que os números do emprego dizem sobre o primeiro ano da economia sob Bolsonaro

Chance de tirar pasta da Segurança Pública de Moro 'no momento é zero', diz Bolsonaro

Chance de tirar pasta da Segurança Pública de Moro 'no momento é zero', diz Bolsonaro

Quem são as pessoas que moram nos EUA, mas não têm nacionalidade reconhecida por nenhum país

Quem são as pessoas que moram nos EUA, mas não têm nacionalidade reconhecida por nenhum país

'Ser um nutricionista gordo não é atestado de incompetência'

'Ser um nutricionista gordo não é atestado de incompetência'

Coronavírus: Brasil corre risco de ser atingido por surto originado na China?

Coronavírus: Brasil corre risco de ser atingido por surto originado na China?

Por que especialistas aprovam, mas seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Por que especialistas aprovam, mas seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Por que especialistas aprovam e seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Por que especialistas aprovam e seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Fala de Guedes sobre desmatamento contraria ciência e até 'mundo econômico' de Davos, diz cientista

Fala de Guedes sobre desmatamento contraria ciência e até 'mundo econômico' de Davos, diz cientista

Estresse acelera surgimento de cabelos brancos, mostra estudo com participação de cientistas brasileiros

Estresse acelera surgimento de cabelos brancos, mostra estudo com participação de cientistas brasileiros

Quem é Fabio Wajngarten, o polêmico chefe da Secom de Bolsonaro

Quem é Fabio Wajngarten, o polêmico chefe da Secom de Bolsonaro

Para juristas, denúncia contra Glenn Greenwald deve ser rejeitada; entenda

Para juristas, denúncia contra Glenn Greenwald deve ser rejeitada; entenda

'Jornalismo não é crime': colunista de mídia do Washington Post comenta caso Greenwald

'Jornalismo não é crime': colunista de mídia do Washington Post comenta caso Greenwald

Inscrições para o Sisu 2020: como funciona o sistema de seleção unificado de universidades para participantes do Enem

Inscrições para o Sisu 2020: como funciona o sistema de seleção unificado de universidades para participantes do Enem

O que representam as fugas de presos ligados ao PCC no Paraguai e no Acre

O que representam as fugas de presos ligados ao PCC no Paraguai e no Acre

'Fui e continuo conservadora': o que pensa Regina Duarte, que fará 'teste' no governo Bolsonaro

'Fui e continuo conservadora': o que pensa Regina Duarte, que fará 'teste' no governo Bolsonaro

A trajetória de Regina Duarte na política, do 'estou com medo' ao convite para integrar governo Bolsonaro

A trajetória de Regina Duarte na política, do 'estou com medo' ao convite para integrar governo Bolsonaro

Da gráfica sem licitação às notas erradas, por que Enem não foi o 'melhor da história' como diz Weintraub

Da gráfica sem licitação às notas erradas, por que Enem não foi o 'melhor da história' como diz Weintraub

Por que o Paraguai é estratégico para o PCC?

Por que o Paraguai é estratégico para o PCC?