Brasil


06/11/2019

Euforia, crise e megaleilão: os altos e baixos do pré-sal

Sede da Petrobras Direito de imagem Reuters
Image caption Governo espera arrecadar até R$ 106,6 bilhões em leilão de excedente da cessão onerosa

Há 11 anos, repetindo o gesto de Getúlio Vargas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sujava as mãos de petróleo para comemorar a primeira extração simbólica do pré-sal.

A prova de fogo para medir o entusiasmo dos investidores acontece nesta quarta-feira, dia 6 de novembro, com o megaleilão do pré-sal, considerado o maior de óleo e gás da história mundial.

O certame é grande aposta do governo de Jair Bolsonaro, pelo qual se espera arrecadar até R$ 106,6 bilhões, para consolidar os investimentos no setor e garantir alívio financeiro para os cofres da União, Estados e municípios.

Pelo mega leilão atual o governo prevê a incorporação de pelo menos R$ 60 bilhões à receita para fazer face a uma dívida inicialmente projetada para 2019 em R$ 139 bilhões, que seria, portanto, reduzida para R$ 79 bilhões.

A BBC News Brasil relembra abaixo os altos e baixos desde a descoberta do pré-sal, em 2006. Confira.

Direito de imagem Agência Brasil
Image caption Em 2008, Lula sujou mãos de petróleo para comemorar primeira extração simbólica do pré-sal

Euforia pela descoberta

A descoberta do pré-sal, em fins de 2006, foi motivo de euforia para o governo. As estimativas iniciais apontavam reservas de 5 bilhões a 8 bilhões de barris a profundidades que podiam chegar a 7 km, em águas a 300 quilômetros da costa brasileira.

As dificuldades, assim como os custos para acessá-las, permaneciam uma incógnita.

Apesar disso, a ex-presidente Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil, disse que o Brasil entraria para a elite do setor petrolífero, passando de importador para exportador.

Já o ex-presidente Lula classificou o pré-sal como "bilhete premiado" e "passaporte para o futuro do Brasil".

Exclusividade da Petrobras

Em 2010, o governo aprovou o novo marco regulatório para o pré-sal, adotando o chamado "regime de partilha".

Pela lei 12.351, a exploração de cada um desses blocos tinha que contar, necessariamente, com pelo menos 30% de participação da Petrobras.

A empresa também passou a ser operadora exclusiva, tornando-se responsável pela condução e execução, direta ou indireta, de todas as atividades de exploração, avaliação, desenvolvimento, produção e desativação das instalações de exploração e produção.

O marco regulatório desagradou petroleiras americanas, como revelou o site WikiLeaks em 2010. Naquela época, o governo continuava a adotar um tom otimista quanto à exploração dos recursos e seu impacto na economia.

Na época, o ex-presidente Lula afirmou que "o Brasil jogou fora o século 20. O século 21 será inexorável".

Direito de imagem Wikicommons
Image caption Santos foi uma das cidades que se beneficiou com royalties do pré-sal

Maior capitalização do mundo

Ainda em 2010, em setembro, a Petrobras arrecadou mais de R$ 120 bilhões no maior processo de capitalização da história.

Após a oferta pública de ações, a estatal tornou-se a segunda maior petrolífera do mundo, atrás apenas da americana Exxon. A capitalização foi necessária para levantar recursos para viabilizar a exploração do pré-sal, informou a estatal na época.

A euforia contagiou muitos brasileiros que puderam usar parte do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para comprar ações da empresa.

Mas, anos depois, esses novos acionistas sucumbiriam à frustração ao ver seus investimentos praticamente virar pó com a crise que se instalou na estatal.

Até hoje, muitas das perdas ainda não foram compensadas totalmente.

Royalties do petróleo e boom das cidades litorâneas

Cidades litorâneas, como o Rio de Janeiro e Santos, se beneficiaram do dinheiro obtido por meio dos dividendos do petróleo.

A expansão da economia dessas cidades atraiu empreendimentos e gerou empregos. Um dos setores mais beneficiados foi o imobiliário.

Em setembro de 2013, a ex-presidente Dilma Rousseff estabeleceu a divisão dos royalties entre os governos federal, estadual e municipal. A lei destinava 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do pré-sal para educação. O texto determinava ainda que 25% dos royalties deveriam ser usados em saúde.

A decisão ocorreu depois das manifestações de junho daquele ano, quando milhares de brasileiros saíram às ruas para protestar por uma variedade de temas, desde a redução da tarifa do transporte público a melhorias nos serviços públicos, passando pela corrupção na política.

Leilão fracassado?

Ainda em 2013, em outubro, o primeiro leilão do pré-sal, o do campo de Libra, teve apenas uma proposta sob o valor mínimo exigido pelo governo.

Ganhou o consórcio formado por cinco empresas - a anglo-holandesa Shell, a francesa Total, as chinesas CNPC e CNOOC e a Petrobras. Antes, dizia-se que poderia reunir até 33 empresas ou consórcios. O motivo principal que teria afastado investidores seria o regime de partilha, pelo qual a Petrobras tinha participação mínima de 30%.

Para a revista britânica The Economist, o leilão foi "decepcionante". Já para a ex-presidente Dilma Rousseff, "um sucesso".

"Seu sucesso vai se repetir, com certeza, nas futuras licitações do pré-sal. Começamos a transformar uma riqueza finita, que é o petróleo, em um tesouro indestrutível que é a educação de alta qualidade", disse Rousseff na época, em alusão à aprovação dos 75% dos royalties da exploração do petróleo para a educação.

Queda do preço internacional do petróleo

Em meados de 2014, a queda no preço internacional do petróleo começou a gerar incertezas sobre a viabilidade na exploração do pré-sal - dois anos depois, o barril seria cotado a apenas US$ 30.

Isso porque, segundo a Petrobras, o preço mínimo do barril a partir do qual a produção no pré-sal é economicamente viável, o chamado "break even", situa-se em torno de US$ 45.

Além disso, havia preocupações cada vez mais crescentes sobre a saúde financeira da estatal.

As críticas sobre o uso político da Petrobras para segurar a inflação, ao não repassar para os consumidores as flutuações nos preços dos combustíveis, se acentuaram. A crise se aprofundaria meses depois com o início da Operação Lava Jato.

Direito de imagem MAURO PIMENTEL/AFP
Image caption Lava Jato descobriu amplo esquema de corrupção na Petrobras

Corrupção e Lava Jato

Com a deflagração da Operação Lava Jato pela Polícia Federal (PF), foi descoberto um esquema bilionário de desvio e lavagem de dinheiro envolvendo a Petrobras, empreiteiras e políticos. Em 2014, o balanço da companhia registrou um rombo de R$ 22 bilhões.

A corrupção corroeu o caixa da empresa e superestimou ativos (reservas, plataformas, campos, etc), que tiveram que ser reavaliados. Um ano depois, o endividamento da estatal chegou a um nível recorde: R$ 506,5 bilhões no terceiro trimestre.

Em março de 2016, um novo rombo - e muito maior: um prejuízo de R$ 34 bilhões em 2015, o maior da história da companhia.

Mudanças nas regras de exploração do pré-sal

Em 2016, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o governo mudou as regras de exploração do pré-sal, abrindo espaço para novos competidores.

Com a medida, a Petrobras deixava de ser operadora exclusiva em todos os campos, embora ainda pudesse escolher os blocos em que quisesse participar.

O objetivo era dar alívio financeiro à companhia, então imersa em uma crise sem precedentes em sua história.

Nas palavras do então presidente da Petrobras, Pedro Parente, a mudança permitia à companhia decidir "onde alocar nossos investimentos de forma empresarialmente responsável".

Em paralelo, a estatal adotou um amplo plano de desinvestimentos, incluindo a venda de subsidiárias.

No mesmo ano, a Petrobras vendeu o primeiro campo no pré-sal, Carcará, considerado uma das "joias da coroa", por R$ 2,5 bilhões.

Direito de imagem Reuters
Image caption Megaleilão do pré-sal é aposta de governo Bolsonaro para garantir alívio financeiro para os cofres da União, Estados e municípios

Megaleilão

Com o pré-sal ganhando cada vez mais importância - em 2017, sua produção superou pela primeira vez a da camada pós-sal, o governo aposta no megaleilão do excedente da cessão onerosa do pré-sal para embolsar cerca de R$ 106 bilhões. O dinheiro será dividido entre União, Estados e municípios e será usado para pagar dívidas, apesar de não ser suficiente para quitá-las totalmente.

Serão ofertadas quatro áreas do pré-sal, na Bacia de Santos. Se todas as áreas forem arrematadas, será o maior valor já arrecadado em uma rodada de licitações de petróleo no país e também no mundo em pagamento de bônus de assinatura (o valor que as empresas pagam pelo direito de exploração).

O leilão vem atraindo holofotes ao redor do mundo não só pela quantidade gigantesca de reservas que estão sendo oferecidas, mas também pelo baixo risco do negócio, uma vez que a Petrobras já encontrou e explora petróleo na área, dizem especialistas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Brasil

Como o comércio transatlântico de escravos explica o caminho do óleo até as praias do Nordeste

Como o comércio transatlântico de escravos explica o caminho do óleo até as praias do Nordeste

Steve Bannon: Lula é 'maior ídolo da esquerda globalista do mundo' e liberdade trará 'enorme perturbação' ao Brasil

Steve Bannon: Lula é 'maior ídolo da esquerda globalista do mundo' e liberdade trará 'enorme perturbação' ao Brasil

Inelegível, Lula será 'megafone da oposição' a Bolsonaro, dizem petistas

Inelegível, Lula será 'megafone da oposição' a Bolsonaro, dizem petistas

Lula diz que 'esquerda pode vencer ultradireita' em 2022 e ataca Bolsonaro: 'governa para milicianos'

Lula diz que 'esquerda pode vencer ultradireita' em 2022 e ataca Bolsonaro: 'governa para milicianos'

Festa no sindicato, pronunciamento, protestos: o que esperar do 1º sábado de Lula fora da prisão

Festa no sindicato, pronunciamento, protestos: o que esperar do 1º sábado de Lula fora da prisão

Vazamento de diálogos, mortes na família, entrevistas: o que aconteceu com Lula durante o tempo na prisão

Vazamento de diálogos, mortes na família, entrevistas: o que aconteceu com Lula durante o tempo na prisão

A repercussão internacional da libertação do ex-presidente Lula

A repercussão internacional da libertação do ex-presidente Lula

Como foi o primeiro 'Lula livre' em 1980, quando ex-presidente foi preso pela ditadura

Como foi o primeiro 'Lula livre' em 1980, quando ex-presidente foi preso pela ditadura

Lula deixa a prisão, critica Bolsonaro e promete 'percorrer o país'

Lula deixa a prisão, critica Bolsonaro e promete 'percorrer o país'

'Sereno' e 'com vontade de abraçar os amigos e a militância': os relatos de quem se reuniu com Lula após decisão do STF

'Sereno' e 'com vontade de abraçar os amigos e a militância': os relatos de quem se reuniu com Lula após decisão do STF

Defesa de Lula pede soltura 'imediata' e militância prepara palanque em Curitiba

Defesa de Lula pede soltura 'imediata' e militância prepara palanque em Curitiba

Decisão do STF: Entenda (em 2 minutos) o que precisa acontecer para Lula ser solto

Veja a repercussão na imprensa internacional da decisão do STF que beneficia Lula

Veja a repercussão na imprensa internacional da decisão do STF que beneficia Lula

Lágrimas e buzinas agitam o entorno de carceragem onde Lula está preso em Curitiba

Lágrimas e buzinas agitam o entorno de carceragem onde Lula está preso em Curitiba

As reações do mundo político à decisão do STF que abre caminho para libertar Lula

As reações do mundo político à decisão do STF que abre caminho para libertar Lula

Defesa diz que levará pedido de soltura a juíza após conversar com Lula

Defesa diz que levará pedido de soltura a juíza após conversar com Lula

Sem planejamento prévio, PT quer mandar parlamentares a Curitiba, trazer Lula de jatinho e fazer festa no sindicato

Sem planejamento prévio, PT quer mandar parlamentares a Curitiba, trazer Lula de jatinho e fazer festa no sindicato

Da infância em Pernambuco à prisão em Curitiba: relembre a trajetória política do ex-presidente Lula

Da infância em Pernambuco à prisão em Curitiba: relembre a trajetória política do ex-presidente Lula

As mudanças de voto que levaram o STF a derrubar prisão em 2ª instância e abrir caminho para soltura de Lula

As mudanças de voto que levaram o STF a derrubar prisão em 2ª instância e abrir caminho para soltura de Lula

Como votou cada ministro do STF no julgamento que vetou prisão após 2ª instância

Como votou cada ministro do STF no julgamento que vetou prisão após 2ª instância

O vaivém de Gilmar e Toffoli que definirá destino de Lula e milhares de outros presos no STF

O vaivém de Gilmar e Toffoli que definirá destino de Lula e milhares de outros presos no STF

Os Estados e capitais que se enquadrariam na PEC que permite congelar concursos e reduzir salário de servidores

Os Estados e capitais que se enquadrariam na PEC que permite congelar concursos e reduzir salário de servidores

Se o Brasil é autossuficiente em petróleo, por que ainda importa o recurso?

Se o Brasil é autossuficiente em petróleo, por que ainda importa o recurso?

Prisão após 2ª instância: pobres prejudicados e ricos beneficiados? A guerra de números no julgamento

Prisão após 2ª instância: pobres prejudicados e ricos beneficiados? A guerra de números no julgamento

Por que o leilão do pré-sal resultou no ?pior cenário? para o governo

Por que o leilão do pré-sal resultou no ?pior cenário? para o governo

6 pontos da reforma econômica de Paulo Guedes que podem te afetar diretamente

6 pontos da reforma econômica de Paulo Guedes que podem te afetar diretamente

Euforia, crise e megaleilão: os altos e baixos do pré-sal

Euforia, crise e megaleilão: os altos e baixos do pré-sal

?Megaleilão? do pré-sal pode inaugurar ?era de ouro? do petróleo brasileiro

?Megaleilão? do pré-sal pode inaugurar ?era de ouro? do petróleo brasileiro

De salários menores para servidores a menos municípios, os desafios do megapacote de Guedes no Congresso

De salários menores para servidores a menos municípios, os desafios do megapacote de Guedes no Congresso

Puçá ou siripoia? O manual que ensina a 'pescar óleo' no Nordeste unindo ciência e lições de pescadores

Puçá ou siripoia? O manual que ensina a 'pescar óleo' no Nordeste unindo ciência e lições de pescadores

Mariana, 4 anos: estudo que guiará reparações por danos à saúde está 'na gaveta' há 6 meses

Mariana, 4 anos: estudo que guiará reparações por danos à saúde está 'na gaveta' há 6 meses

Desnutrição, abusos e mortes fazem da Amazônia o pior lugar do Brasil para ser criança

Desnutrição, abusos e mortes fazem da Amazônia o pior lugar do Brasil para ser criança