Brasil


28/11/2019

O que acontece com investigação contra Flávio Bolsonaro após decisão do STF?

Flávio Bolsonaro fala no microfone no Senado Direito de imagem Roque de Sá/Agência Senado
Image caption Sessão desta quinta-feira no STF deu indicativo, mas não sinalização definitiva, sobre o futuro do caso de Flávio Bolsonaro

O Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou a decisão do presidente da Corte, Dias Toffoli, que em julho paralisou centenas de processos e investigações alimentados por dados sigilosos da Receita Federal e da Unidade de Inteligência Financeira (UIF, antigo Coaf), a pedido do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Além disso, há ainda uma decisão específica de setembro, do ministro Gilmar Mendes, paralisando a apuração contra o senador. Essa decisão atendeu a outro recurso da defesa do parlamentar, argumentando que o Ministério Público do Rio de Janeiro estava desrespeitando a decisão de Toffoli e continuava investigando Flávio Bolsonaro. Como a decisão de Mendes se baseia na liminar de Toffoli, a expectativa é que ela também será revogada.

O que falta esclarecer sobre Coaf?

Direito de imagem CARLOS ALVES MOURA/STF
Image caption Corte voltará a se reunir na próxima semana para definir parâmetros mais específicos para atuação da Unidade de Inteligência Financeira (UIF)

Nesta quinta, por 8 votos a 3, os ministros decidiram que a Receita Federal pode repassar informações fiscais e bancárias detalhadas ao Ministério Público sem autorização judicial prévia quando houver indícios de crimes tributários e previdenciários por parte de contribuintes.

A maioria da Corte também considerou constitucional que a UIF envie ao Ministério Público Relatórios de Inteligência Financeiro (RIFs) sem necessidade de decisão de um juiz, mas ministros ainda definirão na próxima quarta-feira parâmetros mais claros sobre como deve ocorrer esse compartilhamento. Ao longo do julgamento, a maioria do STF indicou que a UIF pode compartilhar relatórios detalhando transações suspeitas espontaneamente e também atendendo a pedido de promotores e procuradores, desde que isso seja feito pelo sistema oficial e não envolva levantar informações fora do seu banco de dados.

Na tentativa de anular a investigação, a defesa de Flávio Bolsonaro argumenta que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) pediu ao antigo Coaf que o órgão solicitasse informações extras sobre o parlamentar a bancos. Além disso, acusa os promotores de terem pedido isso por por e-mail, ou seja, fora do sistema oficial da UIF.

O Ministério Público do Rio, por sua vez, repudiou essas acusações e disse por meio de nota que "em nenhum momento deixou de cumprir rigorosamente a legislação pertinente e o procedimento oficial no que tange à obtenção de informações" da UIF.

A depender das regras que o STF definir na semana que vem, é possível que a defesa do senador apresente novos recursos questionando a forma como os promotores do Rio de Janeiro solicitaram seus dados ao antigo Coaf.

Vale lembrar que o primeiro RIF que respingava sobre o senador tratava exclusivamente de Fabrício Queiroz, ex-assessor no seu antigo gabinete de deputado estadual. Esse relatório apontava movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão no período de um ano. Posteriormente, porém, o Ministério Público do Rio de Janeiro recebeu relatório sobre as movimentações do senador.

Coaf não realiza devassa

Direito de imagem Getty Images
Image caption Maioria dos ministros apoiou que a Receita Federal possa repassar informações fiscais e bancárias detalhadas ao Ministério Público sem autorização judicial prévia quando houver indícios de crimes tributários e previdenciários

Ao longo do julgamento, ministros como Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux ressaltaram que a UIF não pode solicitar dados aos bancos, mas apenas produz Relatórios de Inteligência Financeira a partir de informações que lhe são enviadas por instituições financeiras, joalherias e concessionárias seguindo regras pré-estabelecidas que definem o que são transações suspeitas - por exemplo, compras em alto valor pagas em dinheiro vivo ou uma série de depósitos sequenciados em dinheiro.

"Quando o Ministério Público solicita à UIF informações sobre operações suspeitas referentes a determinados investigado/acusado, a UIF simplesmente consulta sua base de dados já existente para prestar a informação, mas não lhe é permitido solicitar aos bancos informações novas sobre movimentações financeiras", destacou Barroso.

Para Fachin, a forma de atuação do Coaf impede que sejam produzidos RIFs encomendados, como repudiou Dias Toffoli em seu voto.

"Isso retira, a meu ver, a possibilidade que se verifica de alegadas devassas sob encomenda", argumentou Fachin.

Receita Federal

No caso da Receita Federal, votaram para permitir o repasse de dados detalhados pelo órgão ao Ministério Público quando houver indícios criminosos levantados em processo administrativo fiscal os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

"O compartilhamento dessa prova nada mais é do que prova emprestada, lícita", argumentou Moraes.

"Se a prova foi obtida pela Receita licitamente (no processo administrativo), não deve haver fundamento jurídico que impeça esse compartilhamento com o Ministério Público diante de indícios de conduta criminosa", defendeu também Barroso.

Já Celso de Mello e Marco Aurélio votaram contra a possibilidade do Fisco compartilhar qualquer informação com o órgão de investigação por considerar que isso fere o direito constitucional à privacidade.

O presidente do STF, por sua vez, autorizou em seu voto apenas o livre compartilhamento de "informações globais", tais como inconsistência entre patrimônio e renda totais declarados e algumas movimentações financeiras, mas não permitiu que a Receita repasse dados detalhados como extratos bancários ou a íntegra da declaração de Imposto de Renda sem autorização judicial por considerar que isso seria quebra de sigilo fiscal e bancário.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Brasil

Fundo Eleitoral de R$ 3,8 bi não vai tirar verba ?de canto nenhum?, diz relator na Câmara

Fundo Eleitoral de R$ 3,8 bi não vai tirar verba ?de canto nenhum?, diz relator na Câmara

Para moradores de Paraisópolis, vida média é 10 anos mais curta que no vizinho Morumbi

Para moradores de Paraisópolis, vida média é 10 anos mais curta que no vizinho Morumbi

O que sobrou do pacote anticrime de Moro após aprovação na Câmara

O que sobrou do pacote anticrime de Moro após aprovação na Câmara

Apesar de decisão do STF, Planalto mantém sob sigilo gastos com cartão corporativo

Apesar de decisão do STF, Planalto mantém sob sigilo gastos com cartão corporativo

Paraisópolis: adolescente de 16 anos que estudava de manhã e limpava estofados à tarde atravessou cidade para ir a baile onde morreu

Paraisópolis: adolescente de 16 anos que estudava de manhã e limpava estofados à tarde atravessou cidade para ir a baile onde morreu

'Quem a polícia defende? De que lado está?', questiona autor de foto símbolo da desigualdade no Brasil

'Quem a polícia defende? De que lado está?', questiona autor de foto símbolo da desigualdade no Brasil

'Triste saber que ela continuará atual', diz autor de foto símbolo de Paraisópolis, que volta a viralizar após mortes

'Triste saber que ela continuará atual', diz autor de foto símbolo de Paraisópolis, que volta a viralizar após mortes

Como vive um jovem em Paraisópolis

Como vive um jovem em Paraisópolis

Salário inicial de R$ 19 mil põe elite dos servidores entre 2% mais ricos no Brasil

Salário inicial de R$ 19 mil põe elite dos servidores entre 2% mais ricos no Brasil

TSE libera coleta de assinaturas digitais, mas pode não viabilizar novo partido de Bolsonaro

TSE libera coleta de assinaturas digitais, mas pode não viabilizar novo partido de Bolsonaro

Manter cultivo de maconha medicinal proibido multiplicará ações na Justiça, diz presidente da Anvisa

Manter cultivo de maconha medicinal proibido multiplicará ações na Justiça, diz presidente da Anvisa

O que é avaliado na prova do Pisa, exame de educação no qual o Brasil tem dificuldade em avançar

O que é avaliado na prova do Pisa, exame de educação no qual o Brasil tem dificuldade em avançar

Pisa: como o desempenho do Brasil no exame se compara ao de outros países da América Latina

Pisa: como o desempenho do Brasil no exame se compara ao de outros países da América Latina

FGTS e juro baixo animam consumo, mas desemprego e incerteza ainda impedem 'PIBão'

FGTS e juro baixo animam consumo, mas desemprego e incerteza ainda impedem 'PIBão'

'Fui xingada nas redes sociais por resgatar um pombo ferido'

'Fui xingada nas redes sociais por resgatar um pombo ferido'

Pisa: alunos brasileiros 'estacionam' em leitura, ciências e matemática e sofrem mais com bullying e solidão

Pisa: alunos brasileiros 'estacionam' em leitura, ciências e matemática e sofrem mais com bullying e solidão

7 a 1? Os capítulos marcantes da 'amizade desigual' entre Trump e Bolsonaro

7 a 1? Os capítulos marcantes da 'amizade desigual' entre Trump e Bolsonaro

Trump acusa Brasil de desvalorizar real e anuncia tarifa sobre aço e alumínio

Trump acusa Brasil de desvalorizar real e anuncia tarifa sobre aço e alumínio

Brasil prioriza Taiwan em visto eletrônico, abrindo caminho para crise com China

Brasil prioriza Taiwan em visto eletrônico, abrindo caminho para crise com China

Dia Mundial de Luta Contra a Aids: Mortes caem, mas 20% não sabem que têm HIV

O que é o 'Baile da 17', pancadão em Paraisópolis onde 9 jovens morreram pisoteados

O que é o 'Baile da 17', pancadão em Paraisópolis onde 9 jovens morreram pisoteados

?Falta de clima' com Bolsonaro deixa presidente eleito da Argentina de fora de encontro do Mercosul

?Falta de clima' com Bolsonaro deixa presidente eleito da Argentina de fora de encontro do Mercosul

Quem eram os escravos 'tigres', marcantes na história do saneamento básico no Brasil

Quem eram os escravos 'tigres', marcantes na história do saneamento básico no Brasil

Sífilis, a doença evitável e de tratamento barato que mata um número crescente de bebês no Brasil

Sífilis, a doença evitável e de tratamento barato que mata um número crescente de bebês no Brasil

Os brasileiros que criam aves de rapina como águias, falcões e corujas

Os brasileiros que criam aves de rapina como águias, falcões e corujas

Por que a carne continuará mais cara em 2020 (e pode piorar)

Por que a carne continuará mais cara em 2020 (e pode piorar)

Vik Muniz sobre política cultural do governo Bolsonaro: 'É só destruição, é só desmantelamento'

Vik Muniz sobre política cultural do governo Bolsonaro: 'É só destruição, é só desmantelamento'

Pastores da Universal em Angola rompem com Edir Macedo e pedem expulsão de bispos brasileiros

Pastores da Universal em Angola rompem com Edir Macedo e pedem expulsão de bispos brasileiros

Reforma mantém pensão antecipada para família de militares expulsos

Reforma mantém pensão antecipada para família de militares expulsos

O que diz a queixa apresentada contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

O que diz a queixa apresentada contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional

O que acontece com investigação contra Flávio Bolsonaro após decisão do STF?

O que acontece com investigação contra Flávio Bolsonaro após decisão do STF?

De soja a briga pelo turismo, tensão envolvendo ONGs já dura décadas em Alter do Chão

De soja a briga pelo turismo, tensão envolvendo ONGs já dura décadas em Alter do Chão