Brasil


30/11/2019

Quem eram os escravos 'tigres', marcantes na história do saneamento básico no Brasil

Reprodução de aquarela pintada por Jean-Baptiste Debret mostra um escravo tigre Direito de imagem Reprodução/IBRAM
Image caption Reprodução de aquarela pintada por Jean-Baptiste Debret; escravos responsáveis pelo manejo de esgoto de cidades brasileiras

Enquanto o Brasil discute uma forma de, finalmente, conseguir prover saneamento básico para toda a população, ressurge a memória de um capítulo não tão conhecido desse aspecto do país.

Nessa época, a maior parte das casas não contava com banheiros, água corrente ou algum outro tipo de instalação sanitária. Por isso, os moradores das antigas cidades faziam as necessidades em penicos e outros recipientes de metal ou porcelana.

Esses objetos ficavam sob as camas ou em armários até a manhã seguinte, quando eram esvaziados em grandes tonéis que comportavam todos os dejetos dos moradores da casa.

Os grandes tonéis, por sua vez, eram carregados nas costas por escravos, que os levavam até o mar ou a algum rio e por lá os despejavam.

Os tigres

Parte do conteúdo, que continha ureia e amônia, vazava dos tonéis e deixava marcas brancas sobre a pele negra, parecidas com listras. Por essa reação química, as marcas se pareciam com as do animal ? daí o apelido em tom pejorativo dos "tigres" ou "tigrados".

O cheiro dos tonéis, obviamente, não era agradável e fazia com que as pessoas não se aproximassem dos "tigres" enquanto os carregavam.

"A pele ficava listrada, com alternância de faixas pretas e outras descoloridas pela ação química dos dejetos. Por isso, esses escravos eram conhecidos como tigres", afirma o jornalista Laurentino Gomes, autor do livro Escravidão, sobre o tema.

"Eram escravos ou escravos de aluguel que, geralmente, eram destacados para esse tipo de trabalho", afirma o historiador Luiz Felipe de Alencastro.

Direito de imagem Reprodução/Biblioteca Nacional
Image caption Litografias antigas de Henrique Fleiuss mostram parte do cotidiano dos tigres

Esses negros podiam ser escravos comprados por seus donos ou aqueles que prestavam serviços a diversas famílias como forma de obter um rendimento extra para o dono ou para si mesmos.

A prática, muito comum na capital da época, Rio de Janeiro, também era usual em diversas cidades do país. No Rio de Janeiro, fossas eram proibidas na cidade antiga dada a proximidade do lençol freático.

Há registros da utilização dessa mão de obra no Rio até a década de 1860. Já no Recife, por exemplo, durou até 1882.

"Tempos atrás, fui visitar uma cidade paranaense chamada Guarapuava, a centenas de quilômetros do oceano. E lá também, segundo me disse um historiador, havia escravos tigres até o final do século 19", disse Laurentino Gomes.

Marcas coloniais duram até hoje

Fazendo uma avaliação histórica, houve quem associasse a exploração desses escravos "tigres" a um atraso no interesse do poder público na implementação de sistemas de saneamento básico no país.

"O sociólogo Gilberto Freyre diz que a facilidade de dispor de tigres e seu baixo custo retardaram a criação das redes de saneamento nas cidades litorâneas brasileiras", afirma Gomes.

Para Luiz Felipe de Alencastro, contudo, a mão de obra escrava não era tão barata ao ponto de se popularizar tanto no Brasil da época. "Os tigres eram gente pobre, vulnerável ou escrava, mas não era uma mão de obra barata", diz o historiador.

Para além da desumanização desses escravos, essa forma de descarte já mostrava um descaso grande com a questão do escoamento dos dejetos.

"No Rio de Janeiro, até hoje, a baía está totalmente poluída. O desprezo pela natureza vem desde esses tempos", conclui Alencastro.

À época, a consciência ambiental não era algo recorrente como hoje. No Brasil, isso se agravava por conta de uma bagagem da colonização de exploração durante mais de três séculos.

"A destruição do meio ambiente é quase tão antiga quanto a história do Brasil. O primeiro registro oficial de tráfico de plantas, animais silvestres e indígenas escravizados é de 1511, apenas uma década após a chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral", afirma Laurentino Gomes.

Direito de imagem Reprodução/Biblioteca Nacional
Image caption Litografias antigas de Henrique Fleiuss mostram parte do cotidiano dos tigres

No entanto, Leo Heller, relator especial da ONU para os direitos humanos à água e ao esgotamento sanitário, nota que é difícil fazer uma relação entre a utilização dos tigres e o descaso em relação ao saneamento básico.

"A preocupação com saneamento sempre houve, mas nunca foi prioritária. O que ainda existe são locais sem nenhum tipo de esgoto (...) e a figura de quem remove o esgoto", diz o especialista.

Os vestígios do período colonial e imperial, contudo, continuam vivos até hoje no país. Segundo Heller, o fim da escravidão, e com ela o desaparecimento dos chamados "tigres", não acabou com os problemas dos mais pobres e refletem a construção da sociedade atual em relação ao tema.

"Os escravos se transformaram em negros pobres, de periferia, que também não têm acesso a saneamento", diz.

No caso dos tigres, a iniciativa de Dom Pedro 2º em modernizar a então capital Rio de Janeiro ao final do período imperial, na década de 1860, dá início ao saneamento básico no Brasil ? o que começa a diminuir a utilização dessa mão de obra de maneira gradual nas cidades.

Logo, com a abolição, assim como no Rio de Janeiro, esses escravos são substituídos graças à chegada do saneamento básico e maneiras mais modernas de descarte dos dejetos. Mas, assim como os demais, eles permaneceram executando serviços de pouca qualificação.

"Apenas a liberdade não representa uma mudança completa na vida desses ex-escravos", diz o historiador Alain El Youssef, doutor pela USP.

"[Após a abolição] o Estado brasileiro não se preocupa em ofertar condições mínimas à sobrevivência, nem em inseri-los de uma maneira respeitosa na sociedade. Isso traz reflexos até hoje", afirma o historiador.

Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, do Ministério do Desenvolvimento Regional, mostram que apenas 52% da população brasileira conta, atualmente, com acesso à coleta de esgoto. A falta de acesso ocorre principalmente em regiões mais pobres do país.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Brasil

Eduardo Bolsonaro fala 'bobagem' ao acusar monopólio de armas no país, diz presidente da Taurus

Eduardo Bolsonaro fala 'bobagem' ao acusar monopólio de armas no país, diz presidente da Taurus

'Armamento é privilégio para elites': a nova estratégia de Eduardo Bolsonaro para baratear armas no Brasil

'Armamento é privilégio para elites': a nova estratégia de Eduardo Bolsonaro para baratear armas no Brasil

Após anunciar isenção de vistos para chineses, governo agora diz que caso está 'em estudo'

Após anunciar isenção de vistos para chineses, governo agora diz que caso está 'em estudo'

Longe dos holofotes, comitiva com CEO da Taurus acompanha Bolsonaro na Índia, o 2º comprador de armas do mundo

Longe dos holofotes, comitiva com CEO da Taurus acompanha Bolsonaro na Índia, o 2º comprador de armas do mundo

O que Bolsonaro e Moro ganham ou perdem com um eventual 'divórcio'

O que Bolsonaro e Moro ganham ou perdem com um eventual 'divórcio'

Caged: o que os números do emprego dizem sobre o primeiro ano da economia sob Bolsonaro

Caged: o que os números do emprego dizem sobre o primeiro ano da economia sob Bolsonaro

Chance de tirar pasta da Segurança Pública de Moro 'no momento é zero', diz Bolsonaro

Chance de tirar pasta da Segurança Pública de Moro 'no momento é zero', diz Bolsonaro

Quem são as pessoas que moram nos EUA, mas não têm nacionalidade reconhecida por nenhum país

Quem são as pessoas que moram nos EUA, mas não têm nacionalidade reconhecida por nenhum país

'Ser um nutricionista gordo não é atestado de incompetência'

'Ser um nutricionista gordo não é atestado de incompetência'

Coronavírus: Brasil corre risco de ser atingido por surto originado na China?

Coronavírus: Brasil corre risco de ser atingido por surto originado na China?

Por que especialistas aprovam, mas seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Por que especialistas aprovam, mas seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Por que especialistas aprovam e seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Por que especialistas aprovam e seguidores de Bolsonaro e Moro criticam volta do Ministério da Segurança Pública

Fala de Guedes sobre desmatamento contraria ciência e até 'mundo econômico' de Davos, diz cientista

Fala de Guedes sobre desmatamento contraria ciência e até 'mundo econômico' de Davos, diz cientista

Estresse acelera surgimento de cabelos brancos, mostra estudo com participação de cientistas brasileiros

Estresse acelera surgimento de cabelos brancos, mostra estudo com participação de cientistas brasileiros

Quem é Fabio Wajngarten, o polêmico chefe da Secom de Bolsonaro

Quem é Fabio Wajngarten, o polêmico chefe da Secom de Bolsonaro

Para juristas, denúncia contra Glenn Greenwald deve ser rejeitada; entenda

Para juristas, denúncia contra Glenn Greenwald deve ser rejeitada; entenda

'Jornalismo não é crime': colunista de mídia do Washington Post comenta caso Greenwald

'Jornalismo não é crime': colunista de mídia do Washington Post comenta caso Greenwald

Inscrições para o Sisu 2020: como funciona o sistema de seleção unificado de universidades para participantes do Enem

Inscrições para o Sisu 2020: como funciona o sistema de seleção unificado de universidades para participantes do Enem

O que representam as fugas de presos ligados ao PCC no Paraguai e no Acre

O que representam as fugas de presos ligados ao PCC no Paraguai e no Acre

'Fui e continuo conservadora': o que pensa Regina Duarte, que fará 'teste' no governo Bolsonaro

'Fui e continuo conservadora': o que pensa Regina Duarte, que fará 'teste' no governo Bolsonaro

A trajetória de Regina Duarte na política, do 'estou com medo' ao convite para integrar governo Bolsonaro

A trajetória de Regina Duarte na política, do 'estou com medo' ao convite para integrar governo Bolsonaro

Da gráfica sem licitação às notas erradas, por que Enem não foi o 'melhor da história' como diz Weintraub

Da gráfica sem licitação às notas erradas, por que Enem não foi o 'melhor da história' como diz Weintraub

Por que o Paraguai é estratégico para o PCC?

Por que o Paraguai é estratégico para o PCC?

Com liberação para compra de 20 kg de pólvora por atirador, governo abre caminho para fábricas 'caseiras' de munição

Com liberação para compra de 20 kg de pólvora por atirador, governo abre caminho para fábricas 'caseiras' de munição

Fuga de cérebros: os doutores que preferiram deixar o Brasil para continuar pesquisas em outro país

Fuga de cérebros: os doutores que preferiram deixar o Brasil para continuar pesquisas em outro país

Caso Alvim é 'mais um gol contra' para imagem do Brasil no exterior, veem analistas

Caso Alvim é 'mais um gol contra' para imagem do Brasil no exterior, veem analistas

'Vamos questionar na Justiça programa cultural criado por Alvim', diz ex-ministro da Cultura

'Vamos questionar na Justiça programa cultural criado por Alvim', diz ex-ministro da Cultura

'Na Alemanha ele estaria preso': Vídeo de Alvim inspirado em Goebbels configura apologia ao nazismo, diz presidente da OAB

'Na Alemanha ele estaria preso': Vídeo de Alvim inspirado em Goebbels configura apologia ao nazismo, diz presidente da OAB

As polêmicas de Roberto Alvim, secretário de Bolsonaro que perdeu cargo após vídeo associado a nazismo

As polêmicas de Roberto Alvim, secretário de Bolsonaro que perdeu cargo após vídeo associado a nazismo

'Referência a Goebbels é impensável mesmo para extrema direita na Alemanha', diz historiador alemão

'Referência a Goebbels é impensável mesmo para extrema direita na Alemanha', diz historiador alemão

Após referência a Goebbels, secretário de Cultura Roberto Alvim diz que semelhança com discurso nazista foi 'coincidência retórica'

Após referência a Goebbels, secretário de Cultura Roberto Alvim diz que semelhança com discurso nazista foi 'coincidência retórica'

Bolsonaro promete corte, mas número de cargos e funções comissionadas não cai no 1º ano

Bolsonaro promete corte, mas número de cargos e funções comissionadas não cai no 1º ano