Internacional


08/10/2019

De capital transferida a milhares nas ruas, o que está acontecendo no Equador?

Protesto em Quito na segunda-feira Direito de imagem AFP
Image caption Protesto em Quito na segunda-feira, contra fim no subsídio no preço dos combustíveis

O presidente do Equador, Lenín Moreno, mudou temporariamente o governo da capital Quito para a cidade costeira de Guayaquil, no mais recente capítulo da maior crise política do país nos últimos anos.

Os protestos foram originalmente liderados por sindicatos ligados ao setor de transporte, afirmando que o fim dos subsídios a combustíveis está levando a um aumento no preço de itens básicos de consumo.

O governo, por sua vez, mandou prender 20 comerciantes acusados de aumentar o preço de produtos como milho, cebola, cenoura e batata, cujos valores são controlados.

"Não há justificativa para elevar os preços", afirmou a ministra do Interior, Maria Romo.

O Ministério de Energia também anunciou na segunda-feira (08/10) que as atividades em três campos de produção de petróleo na região amazônica foram suspensas "em razão da tomada das instalações por grupos de pessoas de fora da operação", segundo a agência France Presse.

O governo afirmou que isso afetará 12% da produção de petróleo do país, mas não afirmou quais grupos são responsáveis pela ação.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo
Protestos em Quito, capital do Equador

Bloqueios de estradas também afetaram a distribuição de combustível, levando a escassez em algumas partes do país.

Moreno, enquanto isso, afirmou que não vai voltar atrás quanto ao fim dos subsídios e declarou dois meses de estado de exceção.

Uma greve nacional está prevista para quarta-feira, informa a agência Reuters.

Jaime Vargas, líder indígena, disse que "mais de 20 mil indígenas vão chegar a Quito" para o protesto. Outro líder, Luis Iguamba, afirmou que será mantida a pressão sobre o governo.

A pressão é significativa do ponto de vista histórico, uma vez que protestos liderados por indígenas já foram parte importante, por exemplo, do processo de derrubada do presidente Jamil Mahuad, em 2000, durante outro período de crise.

Disputa de poder

Moreno também acusou seu antecessor, Rafael Correa (hoje em autoexílio na Bélgica), de orquestrar um "golpe".

Em discurso na noite de segunda-feira, Moreno afirmou que os protestos não são "uma manifestação de descontentamento social em decorrência de uma decisão do governo".

"Os saques, vandalismo e violência que vimos mostram que há uma motivação política organizada para desestabilizar o governo, romper a ordem constitucional e democrática", afirmou, agregando que Correa (seu antecessor e mentor político, antes de virar rival) e o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, estão por trás desses "plano de desestabilização".

Direito de imagem Secretaria General de Comunicación
Image caption Lenín Moreno (ao centro) com o comando militar do Equador; presidente afirma que protestos têm motivação política, e não popular

Em Bruxelas, Correa afirmou se tratar de uma "mentira". "(É absurdo) dizer que sou tão poderoso que com um iPhone em Bruxelas eu poderia liderar os protestos", declarou à Reuters. "A realidade é que as pessoas não aguentavam mais", em referência às medidas de austeridade implementadas por Moreno com apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Correa também afirmou que "se necessário, voltarei (ao Equador). Eu teria de ser candidato a algo, por exemplo, a vice-presidente".

Nesta terça-feira, o governo equatoriano afirmou estar aberto à mediação internacional, pela ONU ou pela Igreja Católica, para pacificar o país.

Por que Moreno eliminou os subídios?

Na semana passada, Moreno afirmou que o subsídio a combustíveis, que custa anualmente US$ 1,3 bilhão, não é mais viável economicamente.

A eliminação desses subsídios, inicialmente introduzidos nos anos 1970, é parte de um plano que, segundo Moreno, vai fortalecer a cambaleante economia equatoriana e aliviar seu déficit.

Como parte de um acordo de empréstimo de US$ 4,2 bilhões do FMI, o governo concordou em reduzir os gastos públicos.

Segundo a France Presse, o fim dos subsídios, a partir de 3 de outubro, levou a um aumento de 120% no preço dos combustíveis.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Internacional

Como a corrida mundial pelo processamento de dados pode 'colonizar' o Brasil e outros países?

Como a corrida mundial pelo processamento de dados pode 'colonizar' o Brasil e outros países?

A secreta história de amor entre Fidel Castro e Nova York

A secreta história de amor entre Fidel Castro e Nova York

Crise na Venezuela: o que há por trás da queda vertiginosa das exportações de petróleo, que sustentam o país

Crise na Venezuela: o que há por trás da queda vertiginosa das exportações de petróleo, que sustentam o país

As imagens do rastro de destruição causado pelo tufão Hagibis no Japão

As imagens do rastro de destruição causado pelo tufão Hagibis no Japão

Quem são os curdos e por que são atacados pela Turquia

Quem são os curdos e por que são atacados pela Turquia

Seca no Chile: animais morrem de fome em meio à pior crise de água em 50 anos

Seca no Chile: animais morrem de fome em meio à pior crise de água em 50 anos

'Curdos não têm amigos, só as montanhas': o drama de povo abandonado à própria sorte pelos EUA

'Curdos não têm amigos, só as montanhas': o drama de povo abandonado à própria sorte pelos EUA

Prêmio Nobel da Paz: primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, é premiado por acordo que encerrou 20 anos de guerra civil

Prêmio Nobel da Paz: primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, é premiado por acordo que encerrou 20 anos de guerra civil

Estado Islâmico: como a retirada de tropas americanas do norte da Síria pode fazer reaparecer o grupo jihadista

Estado Islâmico: como a retirada de tropas americanas do norte da Síria pode fazer reaparecer o grupo jihadista

Por que a decisão de Trump de abandonar curdos na Síria é criticada até por republicanos

Por que a decisão de Trump de abandonar curdos na Síria é criticada até por republicanos

Campanha britânica pede a redes de fast-food boicote contra soja brasileira de área desmatada

Campanha britânica pede a redes de fast-food boicote contra soja brasileira de área desmatada

A ilha paradisíaca que quer seus turistas de volta

A ilha paradisíaca que quer seus turistas de volta

Impeachment de Trump: Por que a Casa Branca disse que não vai cooperar com investigação

Impeachment de Trump: Por que a Casa Branca disse que não vai cooperar com investigação

'Hasta la victoria, siempre'? A polêmica sobre o que quis dizer Che Guevara com sua frase mais famosa

'Hasta la victoria, siempre'? A polêmica sobre o que quis dizer Che Guevara com sua frase mais famosa

O que levou a Itália a reduzir em 1/3 seu Parlamento

O que levou a Itália a reduzir em 1/3 seu Parlamento

De capital transferida a milhares nas ruas, o que está acontecendo no Equador?

De capital transferida a milhares nas ruas, o que está acontecendo no Equador?

Como um país inteiro corre o risco de ficar sem água potável

FBI confirma que preso de 79 anos é maior assassino em série da história dos EUA

FBI confirma que preso de 79 anos é maior assassino em série da história dos EUA

Por que Trump ameaça ?destruir? a economia da Turquia após retirar tropas da Síria

Por que Trump ameaça ?destruir? a economia da Turquia após retirar tropas da Síria

Suprema Corte dos EUA decidirá se empregado pode ser demitido por ser gay ou transgênero

Suprema Corte dos EUA decidirá se empregado pode ser demitido por ser gay ou transgênero

'Quid pro quo': A expressão medieval que hoje domina a discussão de impeachment nos EUA

'Quid pro quo': A expressão medieval que hoje domina a discussão de impeachment nos EUA

'Sexo por notas': câmeras escondidas expõem professores assediadores na Nigéria e em Gana

Saturno supera Júpiter como planeta com mais luas no Sistema Solar

Saturno supera Júpiter como planeta com mais luas no Sistema Solar

Endometriose: 'A dor arruinou minha vida sexual'

Endometriose: 'A dor arruinou minha vida sexual'

Prêmio Nobel de Medicina: pesquisa que mostra como células ?sentem? nível de oxigênio é premiada

Prêmio Nobel de Medicina: pesquisa que mostra como células ?sentem? nível de oxigênio é premiada