Internacional


08/10/2019

FBI confirma que preso de 79 anos é maior assassino em série da história dos EUA

Desenhos das vítimas de Little Direito de imagem FBI
Image caption O FBI divulgou os desenhos feitos por Little na esperança de que as vítimas possam ser identificadas

O FBI confirmou que Samiel Little, que confessou ter cometido 93 assassinatos ao longo de quatro décadas, é o maior assassino em série da história dos Estados Unidos.

Ex-pugilista, Little dava socos nas vítimas antes de estrangulá-las, o que significa que nem sempre havia "sinais óbvios" de que a pessoa havia sido brutalmente assassinada.

Algumas dessas mortes nunca foram investigadas pelo FBI por causa disso, e muitas foram incorretamente consideradas frutos de abuso de drogas ou acidentais. Alguns corpos nunca foram encontrados.

"Sem marcas de facadas ou ferimentos de bala, muitas dessas mortes não foram classificadas como homicídios, mas atribuídas a overdoses, acidentes ou causas naturais", disse o FBI em um relatório em novembro do ano passado.

Crimes tinham motivação sexual

Segundo os jornais americanos The Washington Post e The New York Times, o criminoso conquistava a confiança das vítimas para depois estuprá-las e estrangulá-las.

A promotora Beth Silverman afirmou que os crimes tinham motivação sexual, mas Little fica ofendido quando é chamado de estuprador. Ele alegou ter "problemas de ereção", mas investigadores encontraram sêmen em corpos e roupas de suas vítimas.

Direito de imagem Wise County Jail
Image caption Little cumpre pena de prisão perpétua desde 2012 pelos assassinatos de três mulheres

A maneira como ele atingia a satisfação sexual era durante o estrangulamento, disse Silverman ao The New York Times.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, o FBI disse acreditar que "todas as suas confissões são críveis".

"Por muitos anos, Samuel Little acreditou que não seria pego, porque achava que ninguém estava prestando atenção às suas vítimas", disse Christie Palazzolo, analista de crimes da agência americana, que é equivalente à Polícia Federal do Brasil.

"Mesmo que ele já esteja na prisão, o FBI acredita que é importante fazer justiça para cada vítima, concluir todos os casos possíveis."

A polícia ainda está trabalhando para verificar os 43 assassinatos restantes que ele confessou ter cometido.

FBI divulgou retratos para tentar identificar vítimas

As autoridades divulgaram informações adicionais sobre cinco casos nos Estados de Kentucky, Flórida, Louisiana, Nevada e Arkansas na esperança de identificar as vítimas.

A agência havia compartilhado anteriormente os retratos que Little fez de suas vítimas, desenhados por ele na prisão, em um esforço para saber quem eram essas mulheres. Também publicaram videoclipes das entrevistas, onde ele descreveu em detalhes os assassinatos.

Em um dos casos, Little descreveu ter conhecido uma jovem transexual negra chamada Marianne ou Mary Ann em Miami, na Flórida, no início dos anos 1970.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Little fala com empolgação de seus crimes, chegando a rir quando se lembra de detalhes, dizem investigadores

Ele contou ter matado a jovem de 19 anos em uma garagem perto de uma plantação de cana-de-açúcar e arrastado o corpo dela para dentro de uma região pantanosa.

Em outro caso, Little detalhou como estrangulou uma mulher em 1993 em um quarto de motel em Las Vegas. Ele se lembrou de ter conhecido o filho dela antes disso e até apertado sua mão. Depois de matá-la, dirigiu até os arredores da cidade e jogou seu corpo de um barranco.

Deus sabia de tudo que eu fazia

Autoridades disseram que a memória de Little dos assassinatos tem sido quase sempre precisa, mas ele não consegue se lembrar de datas específicas, o que dificulta a investigação. Não está claro se ele enfrentará mais acusações pelas recentes confissões.

Little foi preso em 2012 por uma acusação sobre drogas no Kentucky e enviado para a Califórnia, onde policiais realizaram testes de DNA nele. Little já tinha uma extensa ficha criminal, condenado por crimes como assalto à mão armada e estupro.

Os resultados do exames o ligaram a três assassinatos não resolvidos cometidos entre 1987 e 1989 no Condado de Los Angeles. Ele se declarou inocente, mas foi condenado e sentenciado à prisão perpétua, sem chance de liberdade condicional.

Segundo os investigadores, Little fala com empolgação de seus crimes, chegando a rir quando se lembra de detalhes. "É um psicopata carismático", dizem policiais que tiveram contato com ele.

Ele também não dá demonstrações de remorso. À policial Crystal LeBlanc, ele afirmou: "Deus me fez dessa maneira, então por que eu deveria pedir perdão?". E acrescentou, segundo o New York Times: "Deus sabia de tudo que eu fazia".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Internacional

'Por que decidi me reunir com o homem que matou meu pai em um atentado'

'Peguei coronavírus, mas me curei': estudante conta por que decidiu ficar na China após doença

'Peguei coronavírus, mas me curei': estudante conta por que decidiu ficar na China após doença

Faculdade indiana gera polêmica ao forçar estudantes a se despir para checar menstruação

Faculdade indiana gera polêmica ao forçar estudantes a se despir para checar menstruação

Coronavírus: com produto em falta, gangue armada rouba centenas de rolos de papel higiênico em Hong Kong

Coronavírus: com produto em falta, gangue armada rouba centenas de rolos de papel higiênico em Hong Kong

Como o McDonald?s revolucionou o mundo dos negócios

Como o McDonald?s revolucionou o mundo dos negócios

O lado obscuro da Coreia do Sul, descrita como 'modelo' a ser seguido pelo Brasil

O lado obscuro da Coreia do Sul, descrita como 'modelo' a ser seguido pelo Brasil

Populismo seria mais mecanismo corretivo que ameaça à democracia, dizem pesquisadores britânicos

Populismo seria mais mecanismo corretivo que ameaça à democracia, dizem pesquisadores britânicos

A incrível história do homem que deu prejuízo de US$ 1 bi a Wall Street sentado em seu quarto

A incrível história do homem que deu prejuízo de US$ 1 bi a Wall Street sentado em seu quarto

Coronavírus: por que não houve casos confirmados na América Latina?

Coronavírus: por que não houve casos confirmados na América Latina?

Como o Brasil se compara com os países mais endividados do mundo

Como o Brasil se compara com os países mais endividados do mundo

'Pedofilia corporativa': publicidade com meninas 'hipersexualizadas' gera polêmica na volta às aulas no Chile

'Pedofilia corporativa': publicidade com meninas 'hipersexualizadas' gera polêmica na volta às aulas no Chile

Coronavírus: França confirma primeira morte pela doença fora da Ásia

Coronavírus: França confirma primeira morte pela doença fora da Ásia

'Eles mataram minha husky e disseram que mulheres não podiam ter cachorros'

'Eles mataram minha husky e disseram que mulheres não podiam ter cachorros'

O tesouro escondido pelos nazistas e encontrado por acaso em mina por soldados dos EUA

O tesouro escondido pelos nazistas e encontrado por acaso em mina por soldados dos EUA

Aborto no sétimo mês de gestação reacende polêmica sobre legislação na Colômbia

Aborto no sétimo mês de gestação reacende polêmica sobre legislação na Colômbia

Coronavírus: exame para detectar nova doença é falho?

Coronavírus: exame para detectar nova doença é falho?

Nasa revela descoberta sobre como planetas do Sistema Solar se formaram

Coronavírus: especialista recomenda evitar 'abraços e beijos'

Coronavírus: especialista recomenda evitar 'abraços e beijos'

Como drones estão ajudando mulheres a terem partos mais seguros

Algas de lagoa podem ser o 'superalimento' do futuro?

Algas de lagoa podem ser o 'superalimento' do futuro?

Coronavírus: cruzeiro 'pária' consegue autorização para atracar após 5 rejeições por medo de infecções

Coronavírus: cruzeiro 'pária' consegue autorização para atracar após 5 rejeições por medo de infecções

Coronavírus: com nova metodologia, número de mortes chega a 242 em um dia e registro de casos triplica

Coronavírus: com nova metodologia, número de mortes chega a 242 em um dia e registro de casos triplica

R$ 14 milhões por dia: a estratégia de Michael Bloomberg para enfrentar Donald Trump

R$ 14 milhões por dia: a estratégia de Michael Bloomberg para enfrentar Donald Trump

Papa critica 'internacionalização da Amazônia', mas defende presença de ONGs na região

Papa critica 'internacionalização da Amazônia', mas defende presença de ONGs na região

Por que os morcegos, considerados possível fonte do coronavírus, transmitem tantas doenças

Por que os morcegos, considerados possível fonte do coronavírus, transmitem tantas doenças

Publicação de fotos de corpo de mulher vítima de feminicídio causa indignação no México

Publicação de fotos de corpo de mulher vítima de feminicídio causa indignação no México

Coronavírus: quem são os superdisseminadores da doença e por que eles são tão importantes?

Coronavírus: quem são os superdisseminadores da doença e por que eles são tão importantes?

'Pesadelo' ou única chance de vencer Trump? O avanço de Bernie Sanders nas primárias

'Pesadelo' ou única chance de vencer Trump? O avanço de Bernie Sanders nas primárias

Por que o coronavírus agora se chama covid-19 e como esses nomes são criados?

Por que o coronavírus agora se chama covid-19 e como esses nomes são criados?

Apoio do governo, cotas e festivais: como a Coreia do Sul reinventou seu cinema e fez história no Oscar com 'Parasita'

Apoio do governo, cotas e festivais: como a Coreia do Sul reinventou seu cinema e fez história no Oscar com 'Parasita'

Músico de black metal é preso após queimar três igrejas nos EUA

Músico de black metal é preso após queimar três igrejas nos EUA

Omar Bashir: quem é o líder acusado de genocídio que o Sudão vai entregar à Justiça internacional

Omar Bashir: quem é o líder acusado de genocídio que o Sudão vai entregar à Justiça internacional