Internacional


24/03/2020

O vilarejo italiano que conseguiu conter expansão do coronavírus com experimento inédito

Coronavirus en Italia Direito de imagem Antonio Masiello

Vo Euganeo era, até pouco mais de um mês, somente um bonito povoado de quase 3,3 mil habitantes na região de Vêneto, incrustado em colinas vulcânicas no norte da Itália.

Seguindo os protocolos do país, os médicos haviam descartado, pela falta de sintomas, a possibilidade de realizar um exame para detectar se Adriano e Renato haviam contraído coronavírus. Mas um dos médicos decidiu burlar as regras e descobriu que o diagnóstico era positivo.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Povoado de Vo Euganeo foi palco de experimento singular durante a pandemia

Só que um mistério ainda pairava no ar: como eles contraíram o vírus respiratório sem não haviam viajado à China nem tido contato com alguém com sintomas, como febre e tosse?

A única coisa que se sabia era que, pouco antes de desenvolverem sintomas, os dois vizinhos haviam passado horas jogando cartas em um bar do povoado.

A primeira das 6 mil mortes na Itália

De repente, o quadro clínico de Adriano piorou, em 19 de fevereiro, e, dois dias, depois ele morreu. Foi a primeira morte registrada na Itália em decorrência da doença.

Na mesma noite, o prefeito de Vo, Giuliano Martini, decretou quarentena. Foram fechados escolas, bares, lojas e até pontos de ônibus. Não haveria mais missas nem festas carnavalescas. Todos os moradores foram obrigados a ficar em casa.

Em 23 de fevereiro, o governo italiano e as autoridades regionais impuseram um isolamento da cidade.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Povoado no norte italiano foi submetido a um isolamento de duas semanas

"Era como estar em guerra", lembra Martini em uma conversa por telefone com a BBC Mundo. "Estar preso e cercado por suas próprias Forças Armadas é muito pior do que estar em uma prisão."

Mas o mistério de como o vírus chegou a essa comunidade ainda não havia sido resolvido.

Testes em massa

Em busca dessa resposta, especialistas e profissionais de saúde instalaram, em 23 de fevereiro, um centro de análise na escola da cidade para testar todos os moradores que assim o desejassem.

Nos seis dias seguintes, praticamente todos os habitantes foram submetidos voluntariamente ao teste por meio de um kit preparado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Pádua, liderada pelo professor Stefano Merigliano.

"Isso não teria acontecido sem o espírito de colaboração de todos os vizinhos", afirma o prefeito local.

Os investigadores detectaram o vírus em 89 pessoas, cujas autoridades ordenaram isolamento imediato em suas casas por 14 dias. Outra coisa chamou sua atenção: entre 50 e 60% deles apresentaram poucos sintomas ou mesmo nenhum.

"Isso é algo que não havia acontecido em nenhuma das epidemias do século passado", explica o professor Merigliano à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC).

"Ter essa porcentagem de infectados assintomáticos é perigosíssimo", acrescenta a professora Andrea Crisanti, professor de epidemiologia e virologia do Hospital da Universidade de Pádua e do Imperial College de Londres, "porque essas pessoas seguem suas vidas habituais e infectam um número muito alto de pessoas".

Foi nessa época que Merigliano e Crisanti propuseram ao governador de Vêneto, Luca Zaia, uma ideia: transformar o Vo Euganeo em "um laboratório experimental único no mundo".

Direito de imagem Getty Images
Image caption Quase 5 mil profissionais do setor hospitalar foram infectados

"Tivemos condições únicas para entender como esse vírus se comporta", ilustra Merigliano. "Havia uma amostra consistente de pessoas isoladas. Conhecíamos seu estado de saúde e podíamos controlar seus movimentos e com quem eles se relacionavam. Foi perfeito."

Com a aprovação das autoridades regionais, a partir de 6 de março uma equipe da Universidade de Pádua passou a monitorar todos os habitantes de Vo Euganeo. À época, a Itália registrava 4.636 infectados e 197 mortes.

"Antes, havia apenas estimativas", diz Crisanti, "sendo que conseguimos demonstrar cientificamente duas questões fundamentais: que o período de incubação do vírus é de duas semanas e que qualquer estratégia para conter essa pandemia deve levar em consideração o alto número de infectados que não apresentam sintomas".

Após duas semanas de quarentena, foram identificados 542 casos positivos em Vo Euganeo.

A identificação de pacientes sem sintomas é fundamental para mapear e evitar a disseminação da doença. Segundo um estudo coordenado pela Universidade Columbia, nos EUA, infectados assintomáticos são responsáveis por quase dois terços de todas as infecções por coronavírus, o que se mostra um desafio enorme para conter o avanço da pandemia.

Perfil dos mortos na Itália

Na Itália, também por ter a segunda maior porcentagem de idosos na população (atrás do Japão), a taxa de mortalidade da doença causada pelo vírus gira em torno de 7,7%. Na China, onde a pandemia começou, ela girava em torno de 2,3%.

Mas essas taxas variam conforme a faixa etária. Segundo dados do Instituto Superior de Saúde (ISS), órgão subordinado ao Ministério da Saúde da Itália e que monitora a emergência nacionalmente, a média de idade dos italianos infectados pelo coronavírus é de 63 anos, sendo que 60% deles são do sexo masculino.

Os números do ISS sobre as mortes relacionadas à covid-19 mostram que a imensa maioria das vítimas convivia com pelo menos uma ou mais doenças, com maior porcentagem (37%) para as cardiovasculares.

Mas em entrevista ao programa de rádio RaiNews24, da emissora pública da Itália, Luca Lorini, responsável pelo setor de anestesia e cuidados intensivos de um hospital em Bergamo, no norte da Itália, disse que o "tipo de paciente está mudando".

"Eles são um pouco mais jovens, entre 40 e 45 anos, e seus casos são mais complicados", acrescentou.

Retorno à normalidade

Em 8 de março, duas semanas depois da morte de Adriano, o isolamento do povoado chegou ao fim. A vida voltou a circular normalmente, e, a partir de 14 de março, já não havia registros diários de casos novos de infecção. Mas isso só durou seis dias.

"Era de se esperar", afirma Crisanti. "Com que critérios se decide acabar com uma quarentena? Se isso é feito apenas baseando-se na diminuição do número de doentes, está deixando de fora todos os assintomáticos, e isso quer dizer que a doença pode voltar."

O pesquisador admite que o experimento no povoado não é replicável em cidades maiores. Mas garante que é possível sim controlar a disseminação do vírus no âmbito de bairros, identificando rapidamente onde surgem os casos suspeitos e isolando os possíveis infectados.

Algo que a Coreia do Sul conseguiu fazer com sucesso, até agora.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Segundo especialistas, experimento somente poderia ter sido realizado em uma cidade, mas autoridades conseguem monitorar e evitar novos casos como na Coreia do Sul

Enquanto isso, a região de Vêneto acaba de lançar uma campanha paralela, também liderada pelo professor Crisanti, a fim de estudar diversas pessoas de outros grupos de risco, como profissionais de saúde, forças policiais, funcionários de mercados e motoristas de ônibus.

O objetivo, segundo autoridades da região, é realizar 13 mil exames diariamente até o fim desta semana.

Desde que Adriano morreu no hospital em Pádua, outras 6.076 pessoas perderam a vida na Itália em razão da pandemia. Na semana passada, um mês depois que ele morreu, sua família finalmente pôde realizar seu funeral.

Direito de imagem Getty Images

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Internacional

Do nipah ao coronavírus: destruição da natureza expõe ser humano a doenças do mundo animal

Do nipah ao coronavírus: destruição da natureza expõe ser humano a doenças do mundo animal

'Gripezinha ou resfriadinho' e outras 7 frases controversas de líderes mundiais sobre o coronavírus

'Gripezinha ou resfriadinho' e outras 7 frases controversas de líderes mundiais sobre o coronavírus

Coronavírus: pressão de novos contágios faz Japão reforçar medidas de isolamento

Coronavírus: pressão de novos contágios faz Japão reforçar medidas de isolamento

Coronavírus: como obesidade pode prejudicar combate e facilitar contágio

Coronavírus: como obesidade pode prejudicar combate e facilitar contágio

?Absurdo total?: cientistas condenam 'teoria' espalhada na internet de que 5G transmite coronavírus

?Absurdo total?: cientistas condenam 'teoria' espalhada na internet de que 5G transmite coronavírus

Coronavírus: premiê britânico Boris Johnson passa a noite na UTI

Coronavírus: premiê britânico Boris Johnson passa a noite na UTI

Coronavírus: premiê britânico Boris Johnson é internado na UTI

Coronavírus: premiê britânico Boris Johnson é internado na UTI

Coronavírus: Chile mantém baixo número de mortes, mas respiradores são ?calcanhar de Aquiles?

Coronavírus: Chile mantém baixo número de mortes, mas respiradores são ?calcanhar de Aquiles?

Coronavírus: boates de Berlim tentam sobreviver com baladas 'virtuais'

Coronavírus: boates de Berlim tentam sobreviver com baladas 'virtuais'

Cinco motivos pelos quais pandemia de coronavírus pode não ser boa para o meio ambiente

Coronavírus: primeiro-ministro britânico é internado para realização de exames

Coronavírus: primeiro-ministro britânico é internado para realização de exames

Lutador de boxe perde avó dias após pai morrer de covid-19

Lutador de boxe perde avó dias após pai morrer de covid-19

As lições de três eventos catalisadores do novo coronavírus na Europa

As lições de três eventos catalisadores do novo coronavírus na Europa

Coronavírus no Equador: ?Embalamos os corpos de minha irmã e meu cunhado em sacos plásticos dentro de casa

Coronavírus no Equador: ?Embalamos os corpos de minha irmã e meu cunhado em sacos plásticos dentro de casa"

Como Carnaval ajudou a propagar coronavírus em Nova Orleans, que pode se tornar um dos epicentros nos EUA

Como Carnaval ajudou a propagar coronavírus em Nova Orleans, que pode se tornar um dos epicentros nos EUA

Coronavírus: EUA são acusados de 'pirataria' e 'desvio' de equipamentos que iriam para Alemanha, França e Brasil

Coronavírus: EUA são acusados de 'pirataria' e 'desvio' de equipamentos que iriam para Alemanha, França e Brasil

'Ainda não consegui beijar minha filha': a dura realidade de dar à luz com covid-19

'Ainda não consegui beijar minha filha': a dura realidade de dar à luz com covid-19

Bichos ganham as ruas durante quarentena humana

Coronavírus: como os EUA, com mais de 245 mil casos, se tornaram epicentro de epidemia

Coronavírus: como os EUA, com mais de 245 mil casos, se tornaram epicentro de epidemia

Coronavírus: 'O que mais sinto falta é do abraço da minha mulher e dos meus filhos', diz médico italiano

Coronavírus: 'O que mais sinto falta é do abraço da minha mulher e dos meus filhos', diz médico italiano

Dicas para o autoisolamento de um cosmonauta que passou quase 2 anos no espaço

Que países e territórios ainda não têm casos confirmados de coronavírus?

Que países e territórios ainda não têm casos confirmados de coronavírus?

Como a China usa seu sistema de vigilância para conter coronavírus

O megapacote econômico anunciado pelo governo do Peru para enfrentar a crise do coronavírus

O megapacote econômico anunciado pelo governo do Peru para enfrentar a crise do coronavírus

Mortos em casa e cadáveres nas ruas: o colapso funerário causado pelo coronavírus no Equador

Mortos em casa e cadáveres nas ruas: o colapso funerário causado pelo coronavírus no Equador

Coronavírus: por que a covid-19 afeta tanto os profissionais de saúde?

Coronavírus: por que a covid-19 afeta tanto os profissionais de saúde?

De divisão por gênero à violência policial: as duras medidas tomadas no mundo para impor quarentena

De divisão por gênero à violência policial: as duras medidas tomadas no mundo para impor quarentena

Menino de 13 anos morre por coronavírus no Reino Unido e acende alerta

Menino de 13 anos morre por coronavírus no Reino Unido e acende alerta

Governos precisam levar coronavírus 'a sério', diz brasileira ex-assessora de Trump

Governos precisam levar coronavírus 'a sério', diz brasileira ex-assessora de Trump

Por que o novo coronavírus consegue se propagar com tanta eficiência

Por que o novo coronavírus consegue se propagar com tanta eficiência

Coronavírus: quarentena de 1,3 bilhão de pessoas na Índia se torna crise humanitária

Coronavírus: quarentena de 1,3 bilhão de pessoas na Índia se torna crise humanitária

'Ele está cada vez mais violento': as mulheres sob quarentena do coronavírus com seus abusadores

'Ele está cada vez mais violento': as mulheres sob quarentena do coronavírus com seus abusadores