Internacional


13/01/2020

Por que queda de avião pode ser momento decisivo para futuro do Irã

Manifestantes iranianos seguram cartaz que diz Morte ao Mentiroso Direito de imagem Getty Images
Image caption Negativa inicial do governo sobre incidente com avião da Ucrânia enfureceu manifestantes iranianos

Após dias negando sua responsabilidade no acidente envolvendo o voo da Ukraine International Airlines, o governo iraniano admitiu, no fim de semana, que a queda da aeronave foi causada por falha humana.

Foi em meio a essa tensão, dizem as autoridades iranianas, que um operador da Defesa Aérea do país confundiu o voo PS752 com um míssil de cruzeiro e o derrubou, matando as 176 pessoas a bordo.

Embora o Irã tenha inicialmente negado participação no incidente, agências de inteligência dos Estados Unidos e do Canadá já haviam divulgado evidências de que um míssil iraniano havia causado a tragédia. As declarações aumentaram a pressão internacional para que o governo do país persa investigasse abertamente o caso.

A decisão de Teerã de mudar seu posicionamento inicial sobre o tema e assumir a responsabilidade pela derrubada da aeronave gerou reações positivas de diversos países, incluindo as nações de origem dos passageiros a bordo ? Canadá, Reino Unido, Alemanha e Suécia.

A admissão de culpa foi vista como um primeiro passo importante (e positivo).

Autoridades desses países, entretanto, também afirmaram que o movimento deveria ser seguido por um comportamento construtivo vindo do Irã. Isso significaria, provavelmente, a busca por uma investigação transparente, pela repatriação dos corpos e por uma compensação para as vítimas ? assim como medidas para evitar tragédias similares no futuro.

Na frente internacional, a queda do voo PS752 não deve resultar em aumento da tensão entre os países e pode, inclusive, ter o efeito contrário: o de aliviá-la.

No cenário doméstico, porém, o acidente pode ter repercussões muito mais profundas.

Dias antes da tragédia, o Irã demonstrou um nível de unidade e apoio popular sem precedentes quando milhões de pessoas encheram as ruas do país para participar de cortejos fúnebres em homenagem a Soleimani.

As manifestações pareciam indicar que, diante de ameaças militares externas, iranianos de diferentes grupos econômicos e políticos têm a capacidade de se unir e deixar as diferenças de lado.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Milhões de iranianos se reuniram para velar o general iraniano Qasem Soleimani, morto em ataque americano

Mas a queda do avião e as subsequentes negativas das autoridades podem levar ao ressurgimento dessas divisões, tornando-as ainda mais profundas.

Enquanto a admissão de culpa pode aliviar parte das críticas sobre a maneira como o assunto foi conduzido, as atitudes do governo ainda podem ser vistas como uma tentativa de esconder evidências e evitar a responsabilidade pelo acidente.

Se isso acontecer, é provável que voltem a aparecer as divisões e a instabilidade surgidas após o anúncio, pelas autoridades iranianas, de um acentuado aumento no preço dos combustíveis em novembro. O anúncio provocou grandes manifestações pelo país que resultaram em confrontos com órgãos de segurança e a morte de pelo menos 300 pessoas.

Mesmo que admitir a verdade seja um primeiro passo importante, o povo iraniano ainda demandará a responsabilização e o indiciamento dos responsáveis pela tragédia, além da adoção de medidas para que isso não aconteça novamente.

No fim de semana, centenas de manifestantes saíram às ruas na capital iraniana, Teerã, para protestar contra a reação do governo ao incidente ? parte cobrou a saída do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei.

A população também estará de olho em como as vítimas do acidente são tratadas pela elite iraniana. Um teste importante, nesse caso, será se os seus funerais causarão comoção nacional, como foi o caso com Soleimani, ou se serão amplamente ignorados.

Todas essas demandas se juntarão às queixas sobre o estado da economia e as limitações sociais impostas pelo governo.

O país persa terá eleições parlamentares em pouco mais de um mês, e a discórdia interna sobre o acidente pode levar a mais distúrbios. Além disso, a tensão com o Ocidente pode ter sido aliviada, mas está longe de terminar.

A maneira como as autoridades vão lidar com as repercussões mais amplas deste acidente aéreo pode ser decisiva para o Irã. As escolhas feitas agora devem reverberar na política e na sociedade iranianas por meses e, até mesmo, anos.

*Aniseh Bassiri Tabrizi é pesquisadora do centro de estudos de defesa e segurança britânico Royal United Services Institute (Rusi). Ela é especialista em segurança no Oriente Médio, com foco nas políticas doméstica e externa do Irã.

Direito de imagem Getty Images

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Internacional

Coronavírus na China: o que se sabe sobre a misteriosa doença após confirmação de transmissão entre humanos

Coronavírus na China: o que se sabe sobre a misteriosa doença após confirmação de transmissão entre humanos

O clube que reúne pessoas para decorarem seus próprios caixões

'Megxit': 5 perguntas ainda sem resposta sobre o futuro de Harry e Meghan

'Megxit': 5 perguntas ainda sem resposta sobre o futuro de Harry e Meghan

Harry: o príncipe 'festeiro' que decidiu trilhar seu próprio caminho

Harry: o príncipe 'festeiro' que decidiu trilhar seu próprio caminho

Harry e Meghan: Não havia outra opção senão recuar, diz o príncipe

Harry e Meghan: Não havia outra opção senão recuar, diz o príncipe

'Megxit': Sem dinheiro público ou títulos reais, o que vai acontecer com Harry e Meghan?

'Megxit': Sem dinheiro público ou títulos reais, o que vai acontecer com Harry e Meghan?

Polarização política gera 'guerra' sobre o que ensinar nas escolas americanas

Polarização política gera 'guerra' sobre o que ensinar nas escolas americanas

As adolescentes holandesas que seduziam e matavam nazistas

As adolescentes holandesas que seduziam e matavam nazistas

Uruguai prepara programa para atrair moradores estrangeiros

Uruguai prepara programa para atrair moradores estrangeiros

Wallis Simpson: a americana divorciada que abalou a monarquia britânica nos anos 30

Wallis Simpson: a americana divorciada que abalou a monarquia britânica nos anos 30

Como terremotos em Porto Rico estão mudando o relevo da ilha

Como terremotos em Porto Rico estão mudando o relevo da ilha

Fogueiras de livros e lavagem cerebral: quem foi Goebbels, ministro de Hitler parafraseado por secretário de Bolsonaro

Fogueiras de livros e lavagem cerebral: quem foi Goebbels, ministro de Hitler parafraseado por secretário de Bolsonaro

Como 4 países europeus estão lutando para que seus cidadãos tenham mais filhos

Como 4 países europeus estão lutando para que seus cidadãos tenham mais filhos

'Homens-morcego' atravessam 'Portão do Céu' voando na China; veja

Menina de 3 anos e cão são encontrados a 3 km de casa após sumirem em meio a inundação na Austrália

Menina de 3 anos e cão são encontrados a 3 km de casa após sumirem em meio a inundação na Austrália

Economia e qualidade de vida: como o Brasil se posiciona em relação aos indicadores dos países da OCDE

Economia e qualidade de vida: como o Brasil se posiciona em relação aos indicadores dos países da OCDE

Etnopornô, a exploração sexual de mulheres indígenas em vídeos pornográficos no México

Etnopornô, a exploração sexual de mulheres indígenas em vídeos pornográficos no México

Quais os planos de Putin por trás da proposta de reforma que derrubou parte do governo russo

Quais os planos de Putin por trás da proposta de reforma que derrubou parte do governo russo

O momento em que avião despeja combustível sobre escolas de Los Angeles

O que é o peito escavado, condição que muitos pensam ser estética, mas pode matar

O que é o peito escavado, condição que muitos pensam ser estética, mas pode matar

EUA e China assinam acordo após 2 anos de guerra comercial: o que mudou ao longo da disputa?

EUA e China assinam acordo após 2 anos de guerra comercial: o que mudou ao longo da disputa?

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

Pobreza na China: morre jovem que se alimentou só de arroz e pimenta por 5 anos

Pobreza na China: morre jovem que se alimentou só de arroz e pimenta por 5 anos

'Nossas vidas são descartáveis': como a tensão entre EUA e Irã afeta os iranianos-americanos

'Nossas vidas são descartáveis': como a tensão entre EUA e Irã afeta os iranianos-americanos

Queda de avião no Irã: 3 fatores que levaram à derrubada do Boeing ucraniano por engano

Queda de avião no Irã: 3 fatores que levaram à derrubada do Boeing ucraniano por engano

O país onde ginecologistas se recusam a atender mulheres solteiras

Diego, tartaruga gigante que salvou a própria espécie, vai se aposentar em Galápagos

Rainha concorda com 'período de transição' que permite a Harry e Meghan passar tempo no Canadá

Rainha concorda com 'período de transição' que permite a Harry e Meghan passar tempo no Canadá

Incêndios na Austrália: por que os aborígenes dizem que a mata precisa queimar

Incêndios na Austrália: por que os aborígenes dizem que a mata precisa queimar

O mistério das centenas de milhões de dólares que desapareceram sem deixar rastro na Rússia

O mistério das centenas de milhões de dólares que desapareceram sem deixar rastro na Rússia

Vulcão Taal: Erupção de vulcão se transforma em fundo impressionante para fotos de casamento nas Filipinas

Vulcão Taal: Erupção de vulcão se transforma em fundo impressionante para fotos de casamento nas Filipinas

Por que queda de avião pode ser momento decisivo para futuro do Irã

Por que queda de avião pode ser momento decisivo para futuro do Irã