Internacional


11/01/2020

Quem ganhou e quem perdeu com a crise entre Irã e Estados Unidos

Manifestantes no Irã Direito de imagem NurPhoto
Image caption Manifestantes em Teerã participam de um ato anti-EUA após o assassinato de Qasem Soleimani

O assassinato do general Qasem Soleimani e o ataque de mísseis do Irã a bases americanas no Iraque em retaliação aumentaram o medo de um conflito com implicações de longo alcance.

A pesquisadora Sanam Vakil, da organização Chatham House, de análise política internacional, escreveu para a BBC News sobre as implicações da atual crise entre Irã e Estados Unidos para os dois países e para outros atores da região e da Europa. A seguir, a análise da especialista.

Direito de imagem Getty Images

Irã se beneficia no curto prazo

Apesar da perda de uma figura militar tão poderosa, o Irã pode ser um beneficiário no curto prazo do assassinato do seu próprio general Qasem Soleimani.

A morte de Soleimani e as enormes procissões fúnebres que se seguiram permitiram que o regime iraniano desviasse a atenção do público da violenta repressão aos protestos contra o aumento dos preços da gasolina, em novembro.

Esse cenário também permite que o Irã demonstre sua capacidade de se unir em um momento de crise, mesmo que sua elite política seja notoriamente dividida.

O Irã está sob a pressão das sanções econômicas ditadas pelos EUA em 2018 após o presidente americano, Donald Trump, determinar a saída de seu país do acordo nuclear firmado com os iranianos em 2015.

No ano passado, a situação piorou depois que o Irã derrubou um drone militar americano e deteve navios petroleiros na região do Golfo. O país também foi acusado de patrocinar ataques com mísseis, como o caso ocorrido em setembro contra instalações petrolíferas sauditas. O regime iraniano negou participação.

O Irã já reagiu aos Estados Unidos com um ataque de mísseis contra tropas americanas no Iraque, na terça-feira. O país pode se beneficiar se adiar qualquer retaliação e, em vez disso, continuar a demonstrar seu apreço pelo general morto ao mesmo tempo em que fomenta a ansiedade do público em relação ao que pode ocorrer no futuro.

Direito de imagem Getty Images
Image caption O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que o Irã parece estar se acalmando depois de ataques com mísseis nas bases de tropas dos EUA no Iraque

No entanto, se o país tomar outras medidas, poderá não ser mais visto como vencedor.

Dependendo de onde e como o Irã procurar vingar a morte de Soleimani, o país, dono de um poder militar menor, pode se encontrar em um ciclo militar de ação e reação prejudicial.

Já sujeito a fortes sanções e sob pressão para cumprir o acordo nuclear, o Irã poderia ficar cada vez mais isolado com a escalada de violência.

Estados Unidos

O governo Trump pode ter conseguido prejudicar a estrutura militar do Irã. Além disso, a estratégia de ataques pode potencialmente aumentar a chance de reeleição do presidente nas eleições de novembro.

Com o ataque que matou Soleimani, os EUA também enviaram uma mensagem de força e solidariedade a aliados na região, como Israel e Arábia Saudita.

Direito de imagem Reuters
Image caption Os manifestantes do Iraque têm pedido o fim da influência iraniana no país

Mas, caso haja uma ação militar de maior intensidade, os preços do petróleo podem aumentar e outra guerra regional de longa duração pode começar, levando à perda de mais vidas.

Esse cenário pode ter ramificações para muitas outras nações no Oriente Médio.

Forças xiitas no Iraque

No curto prazo, as milícias xiitas apoiadas pelo Irã no Iraque poderiam se beneficiar da atual crise.

Nos últimos meses, o governo iraquiano tem sido alvo de muitos protestos contra a influência do Irã no país, além de denúncias de má governança e corrupção.

Essas milícias ? e o restante do establishment político do Iraque ? estão usando a morte de Soleimani para recuperar a influência perdida e legitimar sua necessidade de permanecer no país.

A promessa de expulsar as tropas americanas do Iraque tem sido um grito de guerra desses grupos e é estimulada por seus líderes.

Esse cenário cria um vácuo de segurança que pode ser ocupado por grupos extremistas como o Estado Islâmico e a Al Qaeda.

Israel

Irã e Israel há muito tempo estão em conflito por seus interesses no Oriente Médio ? o regime iraniano demonstra o desejo de remover o Estado judeu da região.

Da perspectiva de Israel, muitas ameaças ainda permanecem ativas. Isso inclui o apoio do Irã aos adversários do país, como o grupo militante Hezbollah, do Líbano, e o presidente sírio, Bashar al-Assad.

No entanto, a morte de Soleimani indica a crescente intenção dos Estados Unidos de conter as ações do Irã.

Em Israel, é provável que a crise seja vista como um passo positivo que beneficiará seus interesses de segurança contra o Irã e os grupos que ele apoia.

"Israel está com os Estados Unidos em sua justa luta por paz, segurança e autodefesa", disse o primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu, após o ataque.

Manifestações no Oriente Médio

A ameaça iminente de conflito pode dar a governos do Oriente Médio uma desculpa para reprimir os protestos que vêm ocorrendo em diversos países da região.

Direito de imagem Reuters
Image caption Manifestantes no Líbano têm ido às ruas por desigualdade e contra a corrupção

Em particular, as recentes manifestações no Iraque, Líbano e Irã sobre questões como desemprego e corrupção podem ser contidas com a justificativa da segurança nacional.

Os governos poderiam até dar um passo adiante e usar a crise iminente para justificar ações repressivas contra ativistas políticos e travar qualquer tentativa de reforma política.

Arábia Saudita e Emirados Árabes

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes estão em uma posição um pouco mais delicada.

Ambos foram diretamente afetados pelos ataques a navios do Estreito de Ormuz no ano passado e a duas grandes instalações petrolíferas sauditas, em grande parte consideradas obras do Irã ou de forças apoiadas pelo país. O governo iraniano negou qualquer envolvimento.

Direito de imagem Reuters
Image caption Os EUA culparam o Irã por uma série de ataques a petroleiros no Golfo no ano passado

Em resposta, os Emirados Árabes tentaram aliviar a situação com Teerã, enquanto a Arábia Saudita continuou a apoiar as ações de Washington.

Desde o assassinato de Soleimani, os dois países pediram calma, e o ministro da Defesa saudita viajou a Washington para conversar com integrantes do governo Trump.

Mas sua proximidade geográfica com o Irã e seu histórico de tensões os tornam vulneráveis ??a possíveis ataques iranianos.

Europa

Já lutando para sustentar o frágil acordo nuclear de 2015, a Europa permanece em um meio termo complicado entre os EUA e o Irã.

O Reino Unido não recebeu um aviso prévio do ataque de drone feito pelos Estados Unidos contra Soleimani, indicando tensões transatlânticas em andamento ou, pelo menos, falha de comunicação.

Ao mesmo tempo, tendo cooperado na luta contra o Estado Islâmico, vários países europeus com tropas no Iraque podem ser atraídos para o fogo cruzado se o Irã escolher uma resposta militar mais ampla.

O assassinato de Soleimani deveria nos lembrar que as questões de governança e estabilidade regional que provocaram os protestos da Primavera Árabe há quase uma década permanecem sem solução.

Direito de imagem Getty Images

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Internacional

Coronavírus na China: o que se sabe sobre a misteriosa doença após confirmação de transmissão entre humanos

Coronavírus na China: o que se sabe sobre a misteriosa doença após confirmação de transmissão entre humanos

O clube que reúne pessoas para decorarem seus próprios caixões

'Megxit': 5 perguntas ainda sem resposta sobre o futuro de Harry e Meghan

'Megxit': 5 perguntas ainda sem resposta sobre o futuro de Harry e Meghan

Harry: o príncipe 'festeiro' que decidiu trilhar seu próprio caminho

Harry: o príncipe 'festeiro' que decidiu trilhar seu próprio caminho

Harry e Meghan: Não havia outra opção senão recuar, diz o príncipe

Harry e Meghan: Não havia outra opção senão recuar, diz o príncipe

'Megxit': Sem dinheiro público ou títulos reais, o que vai acontecer com Harry e Meghan?

'Megxit': Sem dinheiro público ou títulos reais, o que vai acontecer com Harry e Meghan?

Polarização política gera 'guerra' sobre o que ensinar nas escolas americanas

Polarização política gera 'guerra' sobre o que ensinar nas escolas americanas

As adolescentes holandesas que seduziam e matavam nazistas

As adolescentes holandesas que seduziam e matavam nazistas

Uruguai prepara programa para atrair moradores estrangeiros

Uruguai prepara programa para atrair moradores estrangeiros

Wallis Simpson: a americana divorciada que abalou a monarquia britânica nos anos 30

Wallis Simpson: a americana divorciada que abalou a monarquia britânica nos anos 30

Como terremotos em Porto Rico estão mudando o relevo da ilha

Como terremotos em Porto Rico estão mudando o relevo da ilha

Fogueiras de livros e lavagem cerebral: quem foi Goebbels, ministro de Hitler parafraseado por secretário de Bolsonaro

Fogueiras de livros e lavagem cerebral: quem foi Goebbels, ministro de Hitler parafraseado por secretário de Bolsonaro

Como 4 países europeus estão lutando para que seus cidadãos tenham mais filhos

Como 4 países europeus estão lutando para que seus cidadãos tenham mais filhos

'Homens-morcego' atravessam 'Portão do Céu' voando na China; veja

Menina de 3 anos e cão são encontrados a 3 km de casa após sumirem em meio a inundação na Austrália

Menina de 3 anos e cão são encontrados a 3 km de casa após sumirem em meio a inundação na Austrália

Economia e qualidade de vida: como o Brasil se posiciona em relação aos indicadores dos países da OCDE

Economia e qualidade de vida: como o Brasil se posiciona em relação aos indicadores dos países da OCDE

Etnopornô, a exploração sexual de mulheres indígenas em vídeos pornográficos no México

Etnopornô, a exploração sexual de mulheres indígenas em vídeos pornográficos no México

Quais os planos de Putin por trás da proposta de reforma que derrubou parte do governo russo

Quais os planos de Putin por trás da proposta de reforma que derrubou parte do governo russo

O momento em que avião despeja combustível sobre escolas de Los Angeles

O que é o peito escavado, condição que muitos pensam ser estética, mas pode matar

O que é o peito escavado, condição que muitos pensam ser estética, mas pode matar

EUA e China assinam acordo após 2 anos de guerra comercial: o que mudou ao longo da disputa?

EUA e China assinam acordo após 2 anos de guerra comercial: o que mudou ao longo da disputa?

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

Pobreza na China: morre jovem que se alimentou só de arroz e pimenta por 5 anos

Pobreza na China: morre jovem que se alimentou só de arroz e pimenta por 5 anos

'Nossas vidas são descartáveis': como a tensão entre EUA e Irã afeta os iranianos-americanos

'Nossas vidas são descartáveis': como a tensão entre EUA e Irã afeta os iranianos-americanos

Queda de avião no Irã: 3 fatores que levaram à derrubada do Boeing ucraniano por engano

Queda de avião no Irã: 3 fatores que levaram à derrubada do Boeing ucraniano por engano

O país onde ginecologistas se recusam a atender mulheres solteiras

Diego, tartaruga gigante que salvou a própria espécie, vai se aposentar em Galápagos

Rainha concorda com 'período de transição' que permite a Harry e Meghan passar tempo no Canadá

Rainha concorda com 'período de transição' que permite a Harry e Meghan passar tempo no Canadá

Incêndios na Austrália: por que os aborígenes dizem que a mata precisa queimar

Incêndios na Austrália: por que os aborígenes dizem que a mata precisa queimar

O mistério das centenas de milhões de dólares que desapareceram sem deixar rastro na Rússia

O mistério das centenas de milhões de dólares que desapareceram sem deixar rastro na Rússia

Vulcão Taal: Erupção de vulcão se transforma em fundo impressionante para fotos de casamento nas Filipinas

Vulcão Taal: Erupção de vulcão se transforma em fundo impressionante para fotos de casamento nas Filipinas

Por que queda de avião pode ser momento decisivo para futuro do Irã

Por que queda de avião pode ser momento decisivo para futuro do Irã