Saúde


07/11/2019

Os dados da OCDE que põem o Brasil entre últimos em ranking de gastos em saúde

Macas em corredor de hospital Direito de imagem Getty Images
Image caption Estudo revela como a saúde dos brasileiros se compara à dos habitantes do países ricos

Os gastos per capita na área de saúde no Brasil estão entre os mais baixos entre 44 países desenvolvidos e emergentes, incluídos em um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicado nesta quinta-feira.

Nos 38 países da OCDE, organização à qual o Brasil solicitou ingresso, a média de gastos com saúde por habitante foi de quase US$ 4 mil em 2018, sendo que 76% desse valor são gastos públicos. A Índia é o país que gasta menos, com apenas US$ 209 por habitante.

No Brasil, as despesas per capita com saúde representam cerca de 30% da média da OCDE. Do total de US$ 1.282 mil, menos da metade (US$ 551) são gastos do governo brasileiro. O restante se refere a despesas privadas como seguros de saúde ou pagamento direto de consultas e exames.

Em relação ao PIB

Os gastos com saúde no Brasil representaram 9,2% do PIB em 2018, segundo o estudo. Nesse quesito, o país está em 14º lugar ao lado da Austrália e à frente de economias como Itália, Espanha, Coreia do Sul e até Finlândia. Entre os 38 países da OCDE, a média é de 8,8% do PIB.

Direito de imagem Tânia Rêgo/Agência Brasil
Image caption No Brasil, as despesas per capita com saúde representam cerca de 30% da média da OCDE

Mas diferentemente desses países, onde a maior parte dos gastos são governamentais, no Brasil as despesas públicas na área totalizam 4% do PIB, enquanto as privadas somam 5,2% da soma de todos os bens e serviços produtos no país.

Na França, por exemplo, os gastos do governo com saúde atingem 9,3% do PIB e, nos Estados Unidos, 14,3% do PIB, de acordo com o documento.

O Panorama da Saúde 2019 da OCDE também revela que a expectativa de vida no Brasil, de 75,7 anos, é uma das mais baixas do estudo. O Brasil está à frente de países como Lituânia, México, Letônia, Colômbia, Rússia, Índia e África do Sul, onde a expectativa de vida é de apenas 63,4 anos. Já os japoneses, os primeiros da lista, vivem, em média, 84,2 anos. Na Suíça, segunda colocada, ela é de 83,6 anos.

Houve, no entanto, uma melhora considerável no nível de expectativa de vida no Brasil nas últimas décadas: ela passou de 59,2 anos em 1970 para 75,7 anos em 2017, último dado disponível no estudo. No caso das mulheres brasileiras, a esperança de vida (79,3 anos) é sete anos maior do que a dos homens.

Entre os países da OCDE, a Turquia, Coreia do Sul e Chile tiveram os aumentos mais expressivos em relação à expectativa de vida: 24, 20 e 18 anos, respectivamente, desde 1970. Na Turquia, ela é atualmente de 78,1 anos.

Direito de imagem Tânia Rêgo/Agência Brasil
Image caption Estudo mostra melhora considerável no nível de expectativa de vida no Brasil nas últimas décadas

Na avaliação da organização, sistemas de saúde mais eficientes contribuíram para o aumento da longevidade nessas últimas décadas em vários países, oferecendo cuidados médicos mais acessíveis e de melhor qualidade. Outros fatores influenciam a saúde também, ressalta o estudo, como aumento de renda, melhor nível de educação e hábitos mais saudáveis, incluindo a alimentação.

Embora aumente, a longevidade está, no entanto, avançando menos rapidamente nos países da OCDE, onde, em média, a expectativa de vida é de 81 anos.

Segundo a OCDE, as causas são "múltiplas": o aumento da obesidade e da diabetes, por exemplo, que dificulta manter o progresso obtido nas últimas décadas com a redução do número de mortes por doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais.

O tabagismo e o consumo "nocivo" de álcool, como também a obesidade, são causas de várias doenças crônicas que provocam mortes prematuras e diminuem a qualidade de vida, afirma a OCDE.

Doenças cardíacas

As doenças circulatórias - principalmente crises cardíacas e os acidentes vasculares cerebrais (AVC) - são a principal causa de mortalidade nos países da OCDE, provocando cerca de uma morte a cada três.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Doenças circulatórias são a principal causa de morte nos países da OCDE

O número de mortes por ataques cardíacos no Brasil, de 93 para cada 100 mil habitantes coloca o país na média dos 40 países analisados no estudo. O Brasil registra menos mortes por esse fator do que na média das economias da OCDE, que é de 115 para cada 100 mil habitantes.

Desde 2000, houve uma queda de 14% no número de mortes por doenças cardíacas no Brasil. Naquela época, o índice era de quase 109 por 100 mil habitantes. Nos países da OCDE, a queda foi de 42% no período.

A organização atribui a diminuição das mortes por doenças circulatórias, sobretudo ataques cardíacos e AVCs, em vários países à redução de fatores de risco, como o tabagismo, e melhoras nas taxas de sobrevivência por conta da melhora do atendimento médico.

Mas o envelhecimento da população, o aumento da obesidade e de diabetes podem dificultar a continuidade da queda da mortalidade nesses casos, afirma o estudo.

É por esse motivo que o aumento da expectativa de vida está desacelerando em alguns países, como os Estados Unidos.

O Japão é onde há o menor número de mortes por causa cardíaca: 31 por 100 mil habitantes. Já a Lituânia, última da lista, tem 383 casos para cada 100 mil pessoas.

Direito de imagem Getty Images
Image caption As taxas de incidência e mortalidade por câncer no Brasil é uma das mais baixas do estudo

Em relação aos AVCs, o Brasil tem uma das piores taxas do estudo, de 88,8 mortes por 100 mil habitantes em 2017. Isso apesar da diminuição em 28% nesses casos de óbito.

Na Rússia, há 234,4 mortes por acidente vascular cerebral por 100 mil habitantes, o pior resultado do estudo, apesar da queda de 46% no número de casos no país desde 2000.

As taxas de incidência e mortalidade por câncer no Brasil, respectivamente de 217 e 161 por 100 mil habitantes é uma das mais baixas do estudo. A Índia é o país com menos casos de incidência de câncer: 89/100 mil habitantes e o México é o país com a menor taxa de mortalidade, de 120 para cada 100 mil.

Diagnósticos mais precoces e tratamentos mais eficazes têm aumentado significativamente as taxas de sobrevivência em casos de câncer. Isso explica por que a Austrália e a Nova Zelândia, por exemplo, têm taxas mais baixas de mortalidade, embora tenham os mais altos números de incidência da doença.

Mortalidade infantil

O estudo divulgado nesta quinta-feira também aponta que a taxa de mortalidade infantil no Brasil, de 13,2 para cada mil nascimentos, é uma das piores do Panorama da Saúde 2019 da OCDE. No Japão, o índice é de 1,7 para cada mil.

O Brasil tem ainda um dos piores desempenhos em relação ao nascimento de bebês com baixo peso. É o caso de 8,5% das crianças que nascem no país. Esse número cresceu 4% desde 2000.

"Condições inadequadas de vida, extrema pobreza e fatores socioeconômicos afetam a saúde das mães e dos recém-nascidos", diz a OCDE.

Os brasileiros também estão entre os que menos consultam médicos: menos de três consultas por ano. Já os coreanos ultrapassam 16.

Direito de imagem Getty Images

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


Mais de Saúde

?Minha família pensava que meu câncer era contagioso?

?Minha família pensava que meu câncer era contagioso?

5 alimentos para melhorar a saúde do seu fígado

5 alimentos para melhorar a saúde do seu fígado

O que seu cocô revela sobre sua classe social

O que seu cocô revela sobre sua classe social

7 alimentos perigosos que devem ser consumidos com cuidado

7 alimentos perigosos que devem ser consumidos com cuidado

Ictiose arlequim, a rara doença genética de bebê abandonado em hospital na Itália

Ictiose arlequim, a rara doença genética de bebê abandonado em hospital na Itália

Os dados da OCDE que põem o Brasil entre últimos em ranking de gastos em saúde

Os dados da OCDE que põem o Brasil entre últimos em ranking de gastos em saúde

Por que professores de ioga podem sofrer graves problemas no quadril

Por que professores de ioga podem sofrer graves problemas no quadril

?Orgulho de ser preguiçosa?: não fazer nada pode ser bom para a saúde, segundo a ciência

?Orgulho de ser preguiçosa?: não fazer nada pode ser bom para a saúde, segundo a ciência

'Emagreci 20 quilos durante a gravidez e os médicos não entendiam por quê'

'Emagreci 20 quilos durante a gravidez e os médicos não entendiam por quê'

'Logo você poderá ter outro': as frases que mais ferem as mães que perdem seus bebês

'Logo você poderá ter outro': as frases que mais ferem as mães que perdem seus bebês

Islandês transmite ao vivo pela internet sanduíche de fast food que não apodrece há 10 anos

Islandês transmite ao vivo pela internet sanduíche de fast food que não apodrece há 10 anos

Sarampo faz corpo 'esquecer' como combater infecções, dizem cientistas

Sarampo faz corpo 'esquecer' como combater infecções, dizem cientistas

Os alimentos que podem ajudar o cérebro a funcionar melhor

Os alimentos que podem ajudar o cérebro a funcionar melhor

A história da mulher que pode morrer se virar a cabeça para o lado errado

A história da mulher que pode morrer se virar a cabeça para o lado errado

Narcisistas são pessoas 'horríveis, mas felizes', indica pesquisa

Narcisistas são pessoas 'horríveis, mas felizes', indica pesquisa

5 partes do nosso corpo que até pouco tempo não sabíamos que existiam

5 partes do nosso corpo que até pouco tempo não sabíamos que existiam

Como os raios do sol influenciam o seu cocô

Como os raios do sol influenciam o seu cocô

Obstetra é suspenso após bebê nascer sem rosto em Portugal

Obstetra é suspenso após bebê nascer sem rosto em Portugal

O misterioso caso do homem que ficava bêbado após ingerir carboidratos

O misterioso caso do homem que ficava bêbado após ingerir carboidratos

A medalhista paralímpica que se submeteu a eutanásia aos 40 anos

A medalhista paralímpica que se submeteu a eutanásia aos 40 anos

Hipertensão arterial: medicamentos para pressão alta 'funcionam melhor na hora de dormir', diz pesquisa

Hipertensão arterial: medicamentos para pressão alta 'funcionam melhor na hora de dormir', diz pesquisa

Mesmo com crises, Argentina ainda mantém índices de educação, saúde e igualdade melhores que os brasileiros

Mesmo com crises, Argentina ainda mantém índices de educação, saúde e igualdade melhores que os brasileiros

Câmera térmica de atração turística revela câncer de mama em visitante

Câmera térmica de atração turística revela câncer de mama em visitante

Os homens estão prontos para tomar pílula anticoncepcional?

Os homens estão prontos para tomar pílula anticoncepcional?

Nova técnica de edição de DNA poderá curar até '89% das doenças genéticas' no futuro

Nova técnica de edição de DNA poderá curar até '89% das doenças genéticas' no futuro

Alotriofagia: o distúrbio alimentar que faz uma mulher comer pedras

Cientistas planejam criar câncer para pesquisar formas de detectar sinais precoces da doença

Cientistas planejam criar câncer para pesquisar formas de detectar sinais precoces da doença

Os hábitos no banheiro que causam estranheza em outras partes do mundo

Os hábitos no banheiro que causam estranheza em outras partes do mundo

O que o Japão tem a nos ensinar sobre limpeza

O que o Japão tem a nos ensinar sobre limpeza

A verdade sobre o abuso de drogas na Antiguidade, revelada pela ciência

A verdade sobre o abuso de drogas na Antiguidade, revelada pela ciência

O projeto do primeiro útero artificial, que poderá salvar bebês prematuros

O que a menopausa realmente provoca no seu corpo